A Rainha do Sul

Autor: Arturo Pérez-Reverte
Título original: La Reina del Sur
Tradução: Antonio Fernando Borges
Editora: Record
Páginas: 518
Onde encontrar: AmazonBr | Americanas | Cultura | Saraiva | Submarino

| Livro cedido em parceria com o Grupo Editorial Record |

Sinopse: Teresa Mendonza nasceu em Culiacán, no México. Pobre e com pouco estudo, foi estuprada e quase morta depois de o namorado, piloto de avião que trabalhava para o cartel local, ser assassinado pelo chefe do tráfico. A jovem então se vê forçada a fugir para a Espanha, onde seu instinto criminoso vem à tona. Lá, ela não tem escolha a não ser aceitar uma realidade impiedosa, na qual não há bem ou mal, e sim o reflexo de um universo cruel, onde matar, morrer, enganar e corromper faz parte do cotidiano. Agora, a Mexicana, como é chamada no submundo do crime e pela imprensa, é a traficante mais poderosa da Espanha, dona de um império camuflado de transporte de drogas na Costa do Sol. Uma história de corrupção, amor e intriga que nos revela o melhor e o pior que existe no ser humano. Pérez-Reverte cria um retrato perfeito do submundo do tráfico na Espanha mesclando fatos e ficção, sexo, drogas e violência, numa narrativa avassaladora. A saga épica de Teresa Mendonza atravessa décadas e continentes numa história repleta de sensualidade, crueldade, amor, traição, vida e morte.

Algo que não costumo comentar sobre mim, nem por vergonha nem por falta de interesse, é o fato de eu ser noveleira. Não, não vejo novelas da Globo. Eu vejo novelas mexicanas. Várias. Tipo muitas.

Desse modo eu não tinha como deixar essa oportunidade passar. Assim que vi A Rainha do Sul como uma opção de leitura, pensei “gosto de novela > gosto de livro > livro que deu origem à novela de que eu gosto > quero”. 

Não sei quantas pessoas chegaram a ver aqui no Brasil a versão em novela A Rainha do Tráfico e a sua versão em série (com a Alice Braga, diga-se de passagem) A Rainha do Sul¸ mas eu vi e me apaixonei pelas personagens. Por isso precisava ler. 

Em termos gerais, a história conta a trajetória conturbada e perigosa de Teresa Mendoza, conhecida como “a mexicana”. Sua vida dá uma guinada quando Ruço, seu marido aviador — que trabalha para os chefões do tráfico em Sinaloa — é morto. Sem tempo a perder, Teresa precisa fugir. E rápido.

O telefone tocou e ela compreendeu que iam matá-la. [...] Porque os contrabandistas, [...] esses não perdoam nada. Ruço tinha usado as mesmas palavras, rindo como costumava fazer, enquanto lhe acariciava a nuca e lhe atirava o telefone no colo. Se um dia ele tocar, é porque eu estarei morto. Então corra. O mais que puder, neguinha. Corra e não pare, porque eu não estarei ali para ajudar. E, se chegar viva aonde quer que seja, vire uma tequila em minha memória. Pelos bons momentos, minha flor. Pelos bons momentos.     P. 9-10

#Literatura nas Telas: Dom Casmurro vs. Capitu




Como sabem, curso Letras. E uma das coisas mais incríveis no curso é poder notar meu amadurecimento como leitora. Porque é isso que fazemos: lemos, lemos e relemos, para podermos analisar e escrever a respeito de grandes autores que viveram há duzentos anos. A sobrevivência de certas obras ainda consegue me deixar intrigada. Por que ainda lemos - para citar alguns ainda mais distantes - Odisseia, os contos de fadas, Romeu e Julieta? O que existe nessas histórias que as fazem sobreviver a séculos de desenvolvimento tecnológico e mudanças de estilos narrativos? 

Uma boa resposta, com a qual eu me acostumei, é a de que esses livros possuem peculiaridades, temas, personagens, questões, cujas respostas ainda não satisfazem o ser humano. As grandes aventuras mitológicas de Ulisses, os elementos mágicos e trágicos de histórias que conhecemos até hoje, ou então, o amor impossível dos amantes desafortunados, são temas que lidam além da aventura, do maravilhoso ou do amor. Cada obra que sobrevive o faz por conta de dois motivos: em primeiro lugar, por causa da edição de um novo volume; em segundo, por conta da forma como toca seus leitores.

O que pode existir de tema universal na história de um velho carrancudo, então?, você pode estar se perguntando. Admiráveis leitores, Dom Casmurro deve ter a história de amor mais louca que já existiu. E um dos maiores mistérios da literatura brasileira até hoje: Capitu traiu ou não Bentinho? O que nos impressiona no livro de Machado não é a história de seu Dom, mas a forma como ele a narra: a escolha de palavras, a estruturação da narrativa e dos capítulos, até mesmo as personagens secundárias que estão lá refletindo a personalidade do protagonista. Enfim, são esses vários elementos que circundam a história que a faz ser completamente intrigante.

O Coração da Esfinge - Deuses do Egito #02

Autora: Colleen Houck 
Título original: Recreated
Tradução: Alves Calado 
Série: Deuses do Egito
Editora: Arqueiro
Páginas: 368
Onde encontrar: AmazonBr | Americanas | Cultura | Saraiva | Submarino | Travessa

| Livro cedido em parceria com a Editora Arqueiro |

Sinopse:
Lily Young achou que viajar pelo mundo com um príncipe egípcio tinha sido sua maior aventura. Mas a grande jornada de sua vida ainda está para começar.
Depois que Amon e Lily se separaram de maneira trágica, ele se transportou para o mundo dos mortos – aquilo que os mortais chamam de inferno. Atormentado pela perda de seu grande e único amor, ele prefere viver em agonia a recorrer à energia vital dela mais uma vez.
Arrasada, Lily vai se refugiar na fazenda da avó. Mesmo em outra dimensão, ela ainda consegue sentir a dor de Amon, e nunca deixa de sonhar com o sofrimento infinito de seu amado. Isso porque, antes de partir, Amon deu uma coisa muito especial a ela: um amuleto que os conecta, mesmo em mundos opostos.
Com a ajuda do deus da mumificação, Lily vai descobrir que deve usar esse objeto para libertar o príncipe egípcio e salvar seus reinos da escuridão e do caos. Resta saber se ela estará pronta para fazer o que for preciso.
Nesta sequência de O despertar do príncipe, o lado mais sombrio e secreto da mitologia egípcia é explorado com um romance apaixonante, cenas de tirar o fôlego e reviravoltas assombrosas.

O Coração da Esfinge é um livro que eu desejava há MUITO tempo! Para ser mais exata, desde setembro de 2015 (um ano completo) quando li e me apaixonei por O Despertar do Príncipe (Resenha), primeiro livro da trilogia Deuses do Egito. Então, imaginem a ansiedade!!

A obra é escrita pela autora best-seller Colleen Houck (confira nossa entrevista com ela aqui no blog), criadora da série Tigres (A Maldição do Tigre, O Resgate do Tigre, A Viagem do Tigre, O Destino do Tigre, A Promessa do Tigre) que ainda não foi concluída e já teve os direitos vendidos à Paramount Pictures.

Esfinge de Gizé

Em O Despertar do Príncipe (Resenha), Colleen nos apresentou a jovem Lily que teve sua vida mudada ao cruzar com Amon, um príncipe egípcio que tem como dever ressuscitar a cada mil anos para realizar um ritual - junto de seus dois irmãos - que irá manter o mundo protegido do maligno deus Seth. Entre uma grande aventura recheada de perigos, seres malvados e riscos de morte, Amon e Lily se apaixonaram perdidamente. 
Infelizmente, esse romance já estava fadado desde o início à tragédia e, no fim do primeiro livro, os dois se separaram de forma trágica. 

#Sorteio de Aniversário: 5 anos Além da Contracapa


No aniversário de 5 anos do Além da Contracapa quem ganha os presentes são os nossos leitores. Para isso, nós convidamos vários blogs amigos e as nossas editoras parceiras para fazer uma super promoção (não deixe de acessar o Além da Contracapa para conferir todos os prêmios). A todos vocês, o nosso muito obrigado e aproveitem a festa! 

Regulamento:

A promoção terá início no dia 22 de setembro e término no dia 22 de outubro.

Para participar, basta preencher os formulários abaixo, usando sua conta do Facebook ou seu e-mail, e ter um endereço de entrega no Brasil.

Todas as entradas são opcionais.

O resultado será divulgado no blog e nas redes sociais até três dias após o encerramento da promoção, sendo que o sorteado será contatado por e-mail, tendo o prazo de 48 horas para fornecer seus dados e o blog se responsabiliza por confirmar o recebimento das informações. 




O Último Reino - As Crônicas Saxônicas #01

Autor: Bernard Cornwell
Título Original: The Last Kingdom
Tradução: Alves Calado
Série: As Crônicas Saxônicas
Editora: Grupo Editorial Record
Páginas: 364
Onde Encontrar: AmazonBr | Submarino | Livraria Saraiva
Sinopse: O Último Reino é o primeiro romance de uma série que contará a história de Alfredo, o Grande, e seus descendentes. Aqui, Cornwell reconstrói a saga do monarca que livrou o território britânico da fúria dos vikings. Pelos olhos do órfão Uthred, que aos 9 anos se tornou escravo dos guerreiros no norte, surge uma história de lealdades divididas, amor relutante e heroísmo desesperado. Nascido na aristocracia da Nortúmbria no século IX, Uthred é capturado e adotado por um dinamarquês. Nas gélidas planícies do norte, ele aprende o modo de vida viking. No entanto, seu destino está indissoluvelmente ligado a Alfred, rei de Wessex, e às lutas entre ingleses e dinamarqueses e entre cristãos e pagãos.
Olá leitores e leitoras. Escolhi resenhar este livro primeiramente porque leria qualquer coisa que o Cornwell escrevesse. Qualquer coisa. E também porque ainda não havia publicado aqui no blog nada sobre ele e seus livros. Como assim? O idolatro há anos. Tenho uma parte da estante tomada por seus livros, e ele é incrível. Mas, a hora chegou e vamos a sua primeira resenha!


Jane Eyre

Autora: Charlotte Brontë
Título Original: Jane Eyre
Tradução: Heloisa Seixas
Editora: BestBolso
Páginas: 528
Onde encontrar: AmazonBr AmericanasCultura | Saraiva | Submarino

Sinopse: Jane Eyre é uma menina órfã que vive com sua tia, a sra. Reed, e seus primos, que sempre a maltratam. Até que, cansada do convívio forçado com a sobrinha de seu falecido esposo, a mulher envia Jane a um colégio para moças, onde ela cresce e se torna professora. Com o tempo, cresce nela a vontade de expandir seus horizontes. Ela põe um anúncio no jornal em busca de trabalho como governanta. O anúncio é respondido pela senhora Fairfax, e Jane parte do colégio para trabalhar em Thornfield Hall. Lá, ela conhece seu patrão, o sr. Rochester, um homem brusco e sombrio, por quem se apaixona. Mas um grande segredo do passado se interpõe entre eles.

Já havia falado de Jane Eyre uma vez, há muito tempo, e bem brevemente. Mesmo assim, já ficou claro meu amor por esse livro no pouco espaço que tive para falar dele.

No cenário dos romances de época, quase sempre somos cercados pelas séries atuais, que retomam o século XIX, ou por clássicos de Jane Austen e da infalível Emily Brontë, de fato publicados na primeira metade dos 1800. Sobra pouco tempo para se falar do que foi o sucesso imediato de Jane Eyre, e é por ele que estou aqui.

Publicado pela primeira vez em 1847, a história segue a trajetória da vida de Jane Eyre, a heroína do romance. Sendo um texto denso e extenso, vou tentar resumir a obra à minha maneira. Sempre que penso no livro como um todo, separo-o, na minha cabeça, em três fases: a infância de Jane na casa de seus tios, o período em que estuda em Lowood até a juventude, e a vida adulta até o desfecho, todas elas muito caracterizadas — e subdivididas - pelo espaço físico em que as cenas se configuram. 

A maneira mais fácil de descrever o início seria compará-lo com Cinderella: órfã, vive na casa de parentes que não a cuidam bem, principalmente seus primos mais velhos (o equivalente às irmãs malvadas no conto de fadas), sofrendo constantes maus-tratos.

Fiz o que ele mandava, sem entender, no início, o que John pretendia. Mas quando o vi suspender o livro, preparando-se para atirá-lo longe, instintivamente dei um pulo para o lado, soltando um grito de susto. Mas já era tarde. O volume foi arremessado, bateu em mim e eu caí, dando com a cabeça na porta e sofrendo um corte. O corte sangrou, a dor era aguda. Meu terror foi além do limite, e outros sentimentos se sucederam.
P. 19

Cretina Irresistível - Cretino #1.5



Autora: Christina Lauren 
Título original: Beautiful Bitch
Tradução: Felipe Vieira
Série: Cretino
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 124
Onde encontrar: AmazonBr | Submarino | Saraiva
Classificação: +16
Sinopse: O intenso relacionamento entre Chloe Mills e Bennett Ryan de Cretino Irresistível continua ainda mais ardente e sensual. Agora que a carreira de Chloe está decolando, ela não tem tempo para mais nada e insiste em recusar as investidas de Bennett para passarem um tempo a sós. Ele nunca foi do tipo que aceita um não como resposta e essa disputa resulta em uma ardente relação de amor e obsessão. 

Cretina Irresistível é um conto, lançado nos EUA como uma novella, uma história curta a respeito de personagens que conhecemos em Cretino Irresistível. Bennet e Chloe estão firmados como um casal, porém sua vida extremamente agitada, por conta do novo emprego, impede que os dois passem algum tempo juntos. 

Eu li esse livrinho em pouquíssimo tempo. Então trarei uma resenha super rápida, ok? Ele cobre a história de Chole e Bennett exatamente da momento em que terminamos Cretino até o começo da vida dos dois em Nova York, onde a nova filial da Ryan Media Group será inaugurada. A narração continua dividida entre nossos dois protagonistas completamente loucos, que estão em um relacionamento que eu não tenho ideia de como funciona.
“Nunca se apaixone por alguém que coloque você em primeiro lugar. Encontre alguém que seja tão destemida e energética quanto você. Encontre uma mulher que faça você querer ser uma pessoa melhor.” Bennett, pos. 21

#Divulgação: Vamos ajudar a Teca a lançar Je T’aime, Paris!!


Olá, leitores do #LOHS!!

Hoje eu vim em uma missão mega especial!! Tam tam tam!!!

Minha grande amiga, Teca Machado (do blog Casos Acasos & Livros), está pedindo uma ajudinha para lançar seu segundo livro: Je T’aime, Paris!!


Para quem não a conhece ainda, seu primeiro livro I Love New York (Resenha) é um chick-lit engraçado e brasileiro - apesar do título e do cenário internacional - muito recomendado por mim (Carolina)!! :D

Seguidores

No Instagram @bloglohs

Vem pro Facebook