#Mês da Fantasia: Trono de Vidro | Rapidinha + Entrevista Traduzida



Imagem de Apageon of Heaven - capas americanas

Olá, leitores! Adivinha quem está escrevendo esse post? Isso mesmo!, a Iza. Por quê? Porque eu sou absurdamente fã de Sarah J. Maas e não me canso de falar sobre os livros dela. A #Rapidinha de hoje será sobre a série Trono de Vidro, lançada em 2012 nos EUA. Já foi traduzida para mais de 23 línguas e chegou ao Brasil, em 2013, pela Galera Record.

Sarah J. Maas escreveu os esboços desse mundo quando tinha 16 anos, e os publicou como fanfics. Tamanho foi o sucesso entre os leitores, que a história de Celaena ganhou o mundo. A previsão é que, ao todo, a série possua seis livros. Não que eu vá reclamar se ela resolver escrever mais, de forma alguma! Lançados aqui no Brasil, temos A Lâmina da Assassina (histórias em contos, anteriores a Trono de Vidro), Trono de Vidro, Coroa da Meia-Noite, Herdeira do Fogo, Rainha das Sombras, Império de Tempestades (Tomos I e II); Tower of Dawn (TOG #06), previsto para lançamento em 5 de setembro de 2017 nos EUA!  

Os Livros

Sinopse: Conheça o caminho da assassina. Pavimentado com sangue, lágrimas e suor. Implacável, sedutora, letal. Poucos conhecem seu rosto, menos ainda sobrevivem à sua fúria. Não à toa Celaena Sardothian é sinônimo de morte. Suas lâminas são certeiras, assim como seu estranho código de honra e seu aguçado senso de justiça. Mas como uma menina, encontrada agonizando pelo rei dos Assassinos de Adarlan, se tornaria a campeã do rei? Disputada pelo capitão da guarda real e o próprio príncipe herdeiro? No centro de intrigas políticas?
Acompanhe Celaena vencer um lorde pirata e toda sua tripulação; o encontro como uma curandeira; seu treinamento com o Mestre Mudo, senhor dos assassinos silenciosos, nas dunas do deserto Vermelho; a prisão nas Minas de Sal de Endovier; ou, ainda, sua luta contra o mais escorregadio e traiçoeiro dos adversários — o próprio coração.

Confira a resenha!
Quote favorita: "- Amo você - sussurrou Sam contra a boca da jovem. - E, de hoje em diante, nunca quero ficar longe de você. Aonde for, irei. Mesmo que signifique ir até o próprio Inferno, onde estiver, é onde quero estar. Para sempre." Sam, p. 309
   
Sinopse: Nas sombrias e sujas minas de sal de Endovier, uma jovem de 18 anos está cumprindo sua sentença. Celaena é uma assassina, e a melhor de Adarlan. Aprisionada e fraca, ela está quase perdendo as esperanças quando recebe uma proposta. Terá de volta sua liberdade se representar o príncipe de Adarlan em uma competição, lutando contra os mais habilidosos assassinos e larápios do reino. Endovier é uma sentença de morte, e cada duelo em Adarlan será para viver ou morrer. Mas se o preço é ser livre, ela está disposta a tudo.

Confira a resenha!



Quotes favoritas: "- Pelo jeito as mulheres não aguentam passar muito tempo sem uma espada entre as mãos." Celaena, p. 132
"- Você poderia sacudir o universo - sussurrou a rainha. - Poderia fazer qualquer coisa, se ousasse. E, no fundo, também sabe disso. é o que mais lhe assusta." Elena, p. 383

Sinopse: Celaena Sardothien, a melhor assassina de Adarlan, tornou-se a assassina real depois de vencer a competição do rei e se livrar da escravidão das Minas de Sal de Endovier. Mas sua lealdade nunca esteve com a coroa. Tudo o que deseja é ser livre e fazer justiça. Nos arredores do castelo, surgem rumores a respeito de uma conspiração contra misteriosos planos do rei, mas antes de cuidar dos traidores, Celaena quer descobrir exatamente que planos são esses. O que ela não imaginava é que acabaria em meio a uma perigosa trama de segredos e traições tecida ao redor da coroa. Enquanto a amizade entre ela e o capitão Westfall cresce cada vez mais, o príncipe Dorian se afasta, imerso em seus próprios dilemas e descobertas.
A princesa Nehemia acaba se tornando uma conselheira e confidente, mas sua atenção está mais voltada para outros assuntos. Em Adarlan, um segredo parece se esconder por trás de cada porta trancada, e Celaena está determinada a desvendar todos eles para proteger aqueles que aprendeu a amar. Mas o tempo é curto, e as ameaças ao redor castelo de vidro estão cada vez mais próximas. Quando menos se espera, uma trágica noite mudará a vida de todos no reino, e mais do que nunca Celaena quer descobrir a verdade para fazer justiça.

Confira a resenha

Quote favorita: "Elentiya, não entenderá ainda, mas... eu sabia qual era o meu destino, e o aceitei. Corri na direção dele. Porque era a única forma de as coisas começarem a mudar, de os eventos terem início. Mas não importa o que fiz, Elentiya, quero que saiba que na escuridão dos últimos dez anos, você foi uma das luzes para mim. Não deixe essa luz se apagar." Nehemia, p. 351


Sinopse: Celaena ressurge das cinzas ainda mais forte e letal. E parte em uma jornada em busca de uma obscura verdade: uma informação sobre sua herança e seus antepassados que pode mudar sua vida e o futuro de dois reinos para sempre. Enquanto isso, forças sinistras começam a despontar no horizonte e têm planos malignos para dominar o seu mundo. Agora, depende de Celaena encontrar coragem para enfrentar tais perigos, além de seus próprios demônios, e fazer a escolha mais difícil da sua vida.

Confira a resenha!
Quotes favoritas: "Reivindico você também, Aelin Galathynius." Rowan, p. 438 "
"Celaena era tão rainha quanto Maeve. Era soberana de um povo forte e de um reino poderoso. Era a herdeira das cinzas e do fogo, e não se curvaria para ninguém." Aelin, p. 460


Sinopse: Todos que Celaena Sardothien amou lhe foram tirados. Mas finalmente chegou a hora da retribuição. A vingança promete ser tão dura quanto o aço da Espada de Orynth — a espada de seu pai. Finalmente Celaena retornou ao império; por justiça, para resgatar seu reino e confrontar as sombras do passado.
A assassina está morta. Ela abraçou a identidade de Aelin Galathynius, rainha de Terrasen. Mas antes de reclamar o trono, precisa lutar. E ela vai lutar. Por seu primo, a Puta de Adarlan, o general do Norte... um guerreiro preparado para morrer por sua soberana; por seu amigo Dorian, um príncipe preso em uma inimaginável prisão; por seu povo, escravizado por um rei cruel e à espera do retorno triunfante de sua líder; por seu carranam e a libertação da magia.
Ao avançar em seu plano, no entanto, Aelin precisa tomar cuidado com velhos inimigos. E abrir o coração para novos e improváveis aliados. Tudo isso enquanto os valg continuam trabalhando nas sombras. E Manon Bico Negro, a Líder Alada das Treze, treina suas bestas voadoras. Mas é de Morath, a fortaleza montanhosa do Duque de Perrington, que uma ameaça como nenhuma outra promete destroçar seu grupo de rebeldes e sua corte recém-formada.

Confira a resenha aqui!


Quote favorita: "- Vamos estremecer as estrelas" Aelin, p. 529
Sinopse: Antes de serem traídos pelo atual rei, os Galathynius reinaram em Terrasen por séculos. E agora Aelin deseja recuperar a coroa e voltar a seu trono de direito... Mas o caminho até lá é longo e sinuoso. Amigos serão perdidos, lealdades serão quebradas e alianças inesperadas surgirão. Com a vida e poder jurados ao povo que está determinada a salvar, a antiga assassina, conhecida como Celaena Sardothien, colocará a própria segurança em risco para proteger os seus. Mas a única salvação está numa relíquia enterrada nas ruínas de um velho pântano.


Confira a resenha aqui!

Quote favorita: “Não havia força em nenhum mundo que pudesse mantê-la contida.” Aelin, p. 318

 Eu prefiro uma ordem de leitura diferente da de lançamento: 1, 0.5, 2, 3, 4, 5. A Lâmina da Assassina é um conjunto de contos anteriores à série. Foi o terceiro livro lançado no Brasil, porém foi o segundo que li e não me arrependo nem um pouco da ordem que escolhi. Em todos os outros livros da série, são feitas referências aos episódios narrados nesse compêndio. E todos os personagens e eventos são retomados, destruindo seu coração de menção a menção. Império de tempestades é um tiro de memórias e sentimentos, então: leiam A Lâmina!

O Mundo

A história se passa em Erilea. Abaixo vocês podem conferir o mapa que uma fã desenhou para o mundo de Sarah. Conhecemos os mais diferentes cenários, climas e culturas. As criaturas que estão espalhadas pelo território foram massacradas ou reduzidas ao ponto de permanecerem escondidas do Rei de Adarlan.



É interessante comparar os dois mundos publicados por Sarah até agora. Como vocês sabem, em Corte de Espinhos e Rosas, também somos apresentados à feéricos. No entanto, a primeira diferença com a qual nos deparamos é a hierarquia social. Em ACOTAR, temos uma realeza tanto feérica quanto humana, porém os humanos vivem em medo constante dessas criaturas invadirem seu território e destruí-las. Já em TOG, como vocês já sabem, são os humanos que governam tudo e que subjugaram a magia do mundo, caçando e assassinando os feéricos.
A segunda diferença que vemos é a disposição dos mapas. Os mundos são diferentes; TOG possuiu mais cidades humanas, um reino mais bem detalhado. Em ACOTAR, o mundo é dividido entre terras humanas e terras feéricas e estas são divididas em cortes. Somente em A Court of Mist and Fury, poderemos dar uma olhada melhor por todas as outras cortes, que são espetaculares!
A terceira, são suas protagonistas. Celaena é uma assassina com linhagem real. Feyre é uma caçadora com uma família para sustentar.
A quarta (e última diferença que percebi) foi a presença de outras criaturas. Em Trono de Vidro temos bruxas, serpentes aladas, Príncipes Valg, o Povo Pequenino. Em ACOTAR, somente conhecemos as diferentes espécies de feéricos, por enquanto.


Entrevista Traduzida

E aqui está meu presente de Natal para os fãs de Sarah J. Maas que, infelizmente, não possuem tanta facilidade em Língua Inglesa. Essa entrevista foi concedida para o site Bookish, feita pela Kelly Galluci. Espero que vocês gostem. Caso tenham interesse, Sarah também respondeu algumas perguntas de fãs no Goodreads.

Sarah J. Maas fala sobre a inspiração para Queen of Shadows que ela manteve em segredo por 14 anos

Queen of Shadows (Rainha das Sombras), de Sarah J. Maas, é o quarto livro em sua série Trono de Vidro e um dos lançamentos mais ardentemente aguardados desse outono. Fãs online comentaram que eles não estiveram tão animados por um lançamento desde Harry Potter, e nossa editora Kelly Gallucci precisou concordar. Kelly já conversou com Sarah a respeito da adaptação de A Bela e a Fera, Corte de Espinhos e Rosas (ACOTAR). Mas ontem ela foi sortuda o bastante para passar o dia na Bloomsburry conversando com a Sarah a respeito do quão loucas as coisas ficaram quando Celaena retorna para o forte da Fenda com fogo nos olhos, determinada a resgatar seu primo e restaurar a magia em Adarlan. Nós conseguimos informações privilegiadas sobre os momentos nesse livro que fizeram Sarah chorar, sobre a morte de uma personagem da qual ela não se arrepende e sobre a inspiração para escrevê-lo que ela manteve em segredo por 14 anos.

Leitor, tenha cuidado! Spoilers gigantes, monumentais, destruidores de livros a frente. Leia por sua conta e risco!

Bookish: Quais três palavras você usaria para descrever como se sente agora que Queen of Shadows está livre pelo mundo?
Sarah J. Maas: Animada parece uma palavra tão amena. O que seria uma mistura de animação e alívio? Alimação, anívio... Estou animada porque as pessoas podem ler o livro e aliviada que ele está lá fora, pelo mundo inteiro. Não tenho mais medo de spoilers.
Mas eu terminei esse livro há quatro meses. Eu estou tão focada no que vai acontecer depois e em ter o próximo livro de ambas as séries pronto a tempo para os meus fãs. É um ciclo sem fim de prazos de entrega e eu estou me esforçando para ser a melhor escritora que eu posso ser e para melhorar cada livro. Eu acabei de entregar o quinto livro de Trono de Vidro e estou terminando meus ajustes no segundo livro de ACOTAR, então... agitada.

E a terceira palavra seria zen. Nesse ponto eu estou muito orgulhosa do livro e de como ele terminou. Claro que eu estou sempre preocupada com a ração dos leitores ao livro, mas eu gosto tanto desse livro que eu estou me sentindo bem zen com ele livre pelo mundo. Tomara que os leitores o amem tanto quanto eu o amo!

Bookish: Conte um segredo que você vem guardando sobre esse livro? (SPOILER)
SJM: Lysandra se transformando em um leopardo fantasma. De todas as cenas que eu escrevi, essa é a minha favorita. Eu não conseguia parar com a bunda na cadeira enquanto a escrevia. Eu escutei à trilha sonora de E.T. – especificamente a parte em que o E.T. e a gangue finalmente decolam com as bicicletas e escapam. É a melhor música de todos os filmes já feitos! Tem magia nessa música. Quando Lysandra se transformou em um leopardo fantasma, eu a estava escutando. Eu simplesmente gritava “Está acontecendo! Está acontecendo!” Eu sou tanto a capitã quanto a passageira disso. É uma constante montanha-russa de emoções descontroladas. Eu plantei as sementes ao longo de todo o livro e finalmente a merda aconteceu. Hoje alguém me disse que Lysandra era o seu patrono. E fiquei tipo “Siiim!” Leitores me perguntam há um tempo com qual personagem eu mais me identifico, ou de quem eu mais gosto. Eu gosto mais da Lysandra.

Bookish: Chaol é um dos meus personagens favoritos – mesmo que tenha levado quatro livros para aprender a pronunciar o nome dele. Ele se esforça muito nesse livro para reconciliar a versão dele de Cealena com quem ela realmente é. Você pode nos contar sua própria experiência ao assistir Celaena evoluir da garota assassina para a rainha?
SJM: Em retrospectiva, eu me arrependo de não ter mudado o nome de Chaol para Clark ou algo parecido [risadas]. Eu conto para as pessoas o tempo todo que, quando eu tive a ideia para Trono de Vidro, eu estava inspirada por essa peça de música da trilha sonora de Cinderela. O que eu não conto para as pessoas é que existiu uma segunda peça de música que moldou o restante da série, e essa peça é o final de O Lago do Cisnes. Eu sou uma grande fã de Ballet e quando eu estava escutando a peça final, eu vi em minha cabeça a cena em que Aelin e Dorian estilhaçam o castelo de vidro. Foi uma imagem tão poderosa com essa música incrível, e eu soube naquele momento que era para lá que eu queria que ela fosse. Isso foi há 14 anos, e foi com esse objetivo em mente que eu trabalhei a série. Eu não podia falar a respeito daquela segunda peça – que acabou sendo ainda mais importante do que a música da Cinderela em alguns aspectos. Quando eu vi aquela cena, eu soube que ela era mais do que uma assassina e que ela tinha um grande destino. Cada passo que eu quis que ela desse, desde aquele primeiro momento nas minas de sal até estilhaçar o castelo, seria a jornada para ela se tornar rainha.

Celaena nasceu da música da Cinderela, mas Aelin nasceu da música d'O Lago do Cisnes. Durante os anos em que escrevi a série, no colégio e na faculdade, eu pude conhecê-la. Finalmente quando eu estava pronta publicar, eu acabei reescrevendo tudo. Eu realmente acredito em “confiar nos seus instintos” e escutar o que os meus personagens querem fazer. Apesar de eu ter todos esses planos para ela, eu a deixei guiar a história para onde ela precisava ir – tudo enquanto deixava aquelas sementes e passos que levariam ela e Dorian ao ponto em que eles destruiriam o castelo.

Celaena passou por essa jornada: de uma jovem, mimada, egoísta e imatura adolescente para uma mulher disposta a lutar por algo maior do que ela. Ao escrevê-la, eu cresci com ela. Eu comecei a escrever a série quando era adolescente e cresci também. É estranho olhar para as cenas de Trono de Vidro e lembrar em que ponto eu estava com a minha vida ao escrevê-las. Minha jornada por fora desses livros está mais ou menos entrelaçada nas palavras.

Vê-la crescer por meio da série é muito divertido. Ela sempre me surpreende, porque eu a deixo guiar o caminho. Algumas vezes eu penso, “nós vamos fazer essa realmente incrível cena que eu venho construindo há dois livros!” e ai ela responde, “mhm, não, nós não vamos fazer isso.” Eu nunca erro quando confio em meus instintos. As vezes em que eu tento forçar os personagens a fazerem algo que eu planejei, é aí que tudo desmorona.

Fazem 14 anos e eu não me cansei dessas personagens ou desse mundo. Eu entreguei o quinto livro e estava ansiosa quando escrevi a palavra “Fim”. Eu pensei “Meu Deus. Eu só vou poder rascunhar mais um livro nesse mundo!” E então eu penso “Nope, a série terá 20 livros e não vai terminar nunca!” Eu nunca vou abandoná-la. Eu não serei como a Rose no Titanic.

Bookish: Nós iremos continuar lendo se você continuar a escrevê-los!
SJM: Talvez você seja a única restante no final [risadas].

Bookish: Celaena atende por Aelin nesse quarto livro, um sinal de que ela está finalmente aceitando seu destino e título. Você ainda se refere a ela como Celaena em sua mente ou ela é Aelin?
SJM: Tem uma divisão, porque eu sinto que elas são duas pessoas diferentes. Eu me refiro a ela como Celaena desde A Lâmina da Assassina até Herdeira do Fogo. Em Herdeira do fogo, tem uma cena em que ela estende a mão até a pequena Aelin e elas se fundem em um super Aelin. Depois disso ela era Aelin para mim. Mas é tão difícil conversar com novos leitores sobre isso, então eu peco por cautela e me refiro a ela como Celaena, caso as pessoas não tenham terminado Coroa da meia-noite; Ela sempre foi Aelin, mas ela foi Celaena – a assassina, e agora ela é "the-fire-breathing bitch-queen".

Bookish: Quem bom que você trouxe isso a tona! A palavra vadia é o insulto favorito de todos os inimigos de Celaena/Aelin. É um dos modos mais antigos de se insultar uma mulher, datado anteriormente ao século XVIII e até mesmo Celaena diz que ela achava que as pessoas ficariam mais criativas com o passar do tempo.  Mesmo que poucas tenham tomado atitudes para reivindicá-lo, como Nicki Minaj chamando a si mesma de “chefe das vadias”, ainda é uma palavra que faz a maioria das mulheres de irritarem. O que fez você usar essa palavra e com tanta frequência nesse livro?
SJM: Meu editor foi a primeira pessoa que apontou o uso de “vadia” e a sua história. Isso realmente me fez pensar. É uma das palavras-gatilho de Celaena. No primeiro livro da Trono de Vidro, alguém a chama de vadia, ela bate loucamente nele e diz “Não faz diferente se meu nome é Celaena, ou Lilian, ou Vadia, porque eu ainda venceria você, não importa do que você me chame”

Lorcan a usa nesse livro e eu gostei muito de escrever o surto que ela teve. Uma das minhas cenas favoritas é quando ela diz “Sabe, eu estou bem cansada de ser chamada assim. Você pensaria que cinco séculos seria tempo mais do que suficiente para criarem algo mais criativo”.

Vadia é o único palavrão que eu realmente pensei em usar.  Eu uso “rutting” (cio) no lugar da palavra com ‘f’. Mesmo quando as personagens dizem ‘rutting’, na minha cabeça é como se eles estivessem realmente usando a palavra com ‘f'. Toda hora que alguém xinga naquele livro é uma agradável combinação de palavras com ‘f’.

Bookish: É exatamente assim que eu leio. 

SJM: Meu editor disse que historicamente – não que esse livro seja baseado em qualquer tipo de história – a palavra com ‘f’ era usada mais para o ato do que como a usamos hoje em dia, como um insulto. Essa palavra se encaixa em alguns mundos da fantasia, mas eu não sinto que se encaixe no meu. Existe uma frequência nos xingamentos usados no livro.  

Às vezes eu acho que xingamentos inventados são bregas. Seus personagens estão literalmente rasgando as gargantas uns dos outros e você tem esses tipos de palavras alternativas para palavrões . Naco-dourado. Isso não é insulto. 

E se alguém chama alguém de algo realmente horrível, é a palavra com ‘p’. Em Queen of Shadows, Aedion chama Aelin de um nome sujo em algum ponto, ele a está chamando daquela mulher que roda a bolsinha. Obviamente eu não posso jogar aquela palavra no meio do meu livro. Mas eu acho que é bom ter uns xingamentos reais, e eu amo xingar também.

Bookish: Você escreve mulheres que realmente se apreciam. Eu me peguei imaginando, enquanto lia, se nós veríamos uma relação lésbica na série, porque eu acho que você escreve lindas interações entre mulheres. Isso é algo que você já pensou? 
SJM: Há uma relação lésbica nas Treze, o grupo de Manon, que é vagamente citada. Se eu incluir uma, eu gostaria de ter certeza que estaria fazendo do modo correto. Representações são importantes para mim; eu quero ter certeza que todos os diferentes tipos de relacionamentos estejam nos livros. No livro cinco, há uma relação gay, entre homens. Eu quero incluir essas coisas, mas eu não quero que elas estejam lá só para constar. Eu não quero forçá-las. Mas se uma personagem entrasse na minha cabeça e essa é quem ela é, eu ficaria tipo “Sim!” 

Bookish: A curandeira (Yrene Towers) de A Lâmina da Assassina irá retornar? 
SJM: Tudo o que aconteceu naquela pequena história – Celaena dando o broche para Yrene, demonstrando gentileza para ela – completará um círculo perfeito. Eu realmente acredito que o que você põe no mundo volta para você.  Não é uma coincidência Chaol ter partido para o Continente Sul onde Yrene Towers provavelmente está... e talvez ela voltará se ele retornar... com um exército. Talvez.

Bookish: Esse tema está presente nesse livro também. Mais de uma vez, em Queen os Shadows, nós vemos dívidas sendo pagas pela gentileza que Aelin demonstra.
SJM: É uma daquelas coisas que me movem, que um ato de gentileza pode salvar sua vida. Especialmente com Manon – ela é uma daquelas que salvam o dia. Eu amo a cena na qual ela escreve a mensagem na parede. Eu chorei, e chorei muito. Quando Aelin vê aquele escrito gigante na parede “ASSASSINA DE BRUXA – O HUMANO AINDA ESTÁ DENTRO DELE” Eu estava pensando, “O que está acontecendo?! São quase amigas. Quase.”

Agora que eu estou pensando sobre isso, em “A Assassina e a Curandeira”, quando Celaena decide ajudar Yrene, ela sente esse puxão no fio do mundo. Ela decide dar a garota o seu broche e seu dinheiro para que ela vá se tornar uma curandeira e concertar sua vida. E na cena em que Aelin salva a vida de Manon, ela sente esse puxão da mesma forma. Eu não planejei isso. É estranho que esses dois momentos de gentileza acabem tendo gigantescas repercussões. 

Bookish: No nosso mundo, bruxaria é geralmente ligado com violência contra as mulheres. Esse histórico teve influência na moldagem das suas bruxas Dentes de Ferro? 
SJM: Com certeza! A cena em Herdeira do Fogo onde Manon está no pequeno chalé e fazendeiros entraram – aquilo foi muito baseado em como as mulheres eram alvo de homens e da violência contra as mulheres. Eu gosto da ideia dos meus leitores começarem a ler aquela cena e pensarem que ela será a vítima. Então ela fecha a porta e você percebe que ela, na verdade, é a predadora. Eu amo a ideia de que essas bruxas são as melhores predadoras que caçam humanos e veem os homens apenas como parceiros de acasalamento e como alimentação. Elas não comem carne de verdade. Beber sangue é mais sobre poder. Elas não são tipo “Oh, isso é tão delicioso. Preciso beber mais um pouco de sangue.” Elas estão pensando: “Você é um homem e um ser humano estúpido.”

A cultura das bruxas é uma estranha combinação de coisas. Eu sempre fui obcecada por Baba Yaga do folclore russo, e ela tem dentes de ferro em algumas versões. Eu tinha esse lindo livro de histórias sobre sua lenda chamada Vasalisa, a Valente, e tem uma aterrorizante ilustração de Baba Yaga com aqueles dentes de ferro. A imagem praticamente ficou plantada na minha mente. 

Eu não sei como eu criei a ideia dos dentes serem retráteis. Eu acho que eu queria que elas fossem gostosas e não aterrorizassem as pessoas na época, mas elas têm essa habilidade de torcer os pulsos e terem as garras de ferro saindo. 

As bruxas vivem em um sistema matriarcal. Eu amei a ideia das mulheres estarem no poder e também de ser uma sociedade quebrada. Só porque as mulheres estão no poder, não significa que é tudo esteja perfeito. Eu não conseguia tirar a história das bruxas da minha cabeça. Eu sabia que Manon teria seu papel um pouco depois na série. Eu queria que a sua jornada fosse merecida. Eu não poderia fazer isso a menos que eu começasse sua história mais cedo. Perto do fim de Queen of Shadows, quando ela se encontra com Dorian, você mais ou menos vê para onde ela está indo. 

As Treze são como uma gangue de motos. Eu as amo, mas elas são mesmo aterrorizantes. Eu não sobreviveria com elas. Eu seria como a pobre Elide, me escondendo, mancando pelos corredores com minhas correntes – e não correntes legais que combinariam com meus grilhões de escravidão. Eu escolhi o número 13 como o número delas porque os covis de bruxa são tradicionalmente formados por 13 membros, mas eu sou muito supersticiosa. Então quando eu estava criando as Treze, eu queria algo que me desse medo, então eu pensei em chamá-las por algo que me assustasse.  Mas desde que eu escrevi sobre elas, eu meio que passei a amar o número. Agora eu me preocupo, “Espera. Isso é uma virada de azar? Eu serei atropelada por um carro?”

Bookish: Redenção. Para quem é dada e para quem não é, é um grande tema nesse livro. Você pode falar um pouco sobre isso? 
SJM: Chaol provavelmente é o que mais se redime, de certa forma. Ele está muito quebrado no começo desse livro. Ele tem de descobrir o que quer, quem ele é, como ele vê o mundo e qual é o seu lugar nele. Eu nunca escrevo coisas para serem enfadonhas, mas eu acredito, sim, que as personagens podem ter jornadas interessantes quando eles passam por esses altos e baixos. 

Em Trono de Vidro (livro 1), Perrington agride violentamente Celaena na frente de Chaol e ele não faz nada. Ele e Dorian mal olham para os vários túmulos de Endovier até que ela entra em suas vidas. Mas mesmo aí, eles não tomam um partido quando seu império está fazendo coisas realmente horríveis. Então desde o começo, Chaol e Dorian estão nesse caminho de abrir os olhos e virarem homens. Os dois são muito meninos no começo, do mesmo modo que Aelin é uma garota no começo. 

Há meios interessantes para se jogar com personagens que estão quebrados ou que fizeram más escolhas. Mas algumas pessoas não podem ser redimidas; algumas pessoas são más. Talvez isso seja bem Velho Testamento de minha parte, por eu não achar que não há um caminho de volta, mas esses personagens que estão nessa área cinza podem ir para ambas as direções. 

Algumas vezes as pessoas não têm as chances de provarem a si mesmas novamente, como o Rei. Essa foi outra cena na qual chorei enquanto escrevia. O rei está sussurrando “Meu garoto” e eu estava pensando “Pobre Rei. Mas tchau, você está morto.” Isso definitivamente irá assombrar Dorian mais à frente. Momentos difíceis precisam ter consequências. 

Arobynn não pode se redimir. Ele é um puto. Uma vez eu o chamei de babaca. Ele fez coisas desprezíveis a Celaena, mas foi o que ele fez com Lysandra enquanto ela crescia que o tornou absolutamente imperdoável. É por isso que é mais importante para Lysandra dar o golpe fatal. Um leitor me perguntou se foi difícil deixar Arobynn morrer nas mãos de Lysandra: não foi. Eu não planejei aquilo até que eu escrevi e eu percebi que aquilo seria um presente de Aelin para uma amiga. Aelin focou tanto em matá-lo e machucá-lo por tanto tempo, e ser capaz de abrir mão daquilo foi como curar a si mesma. Mas Lysandra precisava ser aquela a matá-lo, para que ela soubesse que ele estava morto e que poderia seguir em frente. Essa foi outra cena em que chorei, porque Lysandra foi alguém que sofreu coisas horríveis e naquele momento ela decidiu que teria uma vida melhor. 



40 comentários :

  1. Respostas
    1. Myu, que bom! fico muito feliz!
      boa leitura

      beijos

      Excluir
  2. Eu pulei a entrevista porque tô me segurando e esperando a Galera trazer QoS traduzido pra cá - porque o inglês da Sarah me confunde e me dá preguiça só de pensar em ler, muita descrição, sos.
    AMO Trono de Vidro como se não houvesse amanhã. To morrendo pelo quarto livro, desesperadamente KBNASUOASOGOUABGA Amei o post!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    http://www.queriaestarlendo.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Denise, obrigada! Eu tbm amei escrevê-lo!
      Eu te entendo e estou aí na expectativa de QoS ser trazido até abril do ano que vem *-*

      beijos

      Excluir
  3. Amo os livros da Sarah J. Maas, fiquei procurando por eles no Black Friday, mas quando encontrei já tinham acabado :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rita, que triste!
      A Black Friday acabou com alguns estoques mesmo. Eu não consegui achar alguns livros até que duas semanas tivessem passado. Espero que consiga encontra-los agr.

      beijos

      Excluir
  4. Eu adoro Trono de vidro e estou com muita expectativa para os próximo livro, já vi o pessoal falando e parece ser o mais eletrizante até o momento. Também estou curiosa com o Corte e Espinhos e Rosas.


    Beeijo
    Resenhando Sonhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na minha opinião, QoS é o melhor até agora!
      Você irá amar!

      beijos

      Excluir
  5. Sou louca pra ler alguma coisa da Sarah J. Maas mas é tudo tão caro e nunca acho uma promoção, quando vejo já está tudo esgotado rs. Eu como amante do gênero fantasia não posso deixar de ler e vou ter que comprar caro mesmo. Pulei a parte da entrevista por medo de spoilers. Adorei o post :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edmere, desejo-lhe toda sorte do mundo em achar os livros numa promoção legal! É só ficar de olho.

      beijos

      Excluir
  6. Iza, que bom que veio nos dar o ar de sua graça nos trazendo essa entrevista!
    As capas dessa serie são maravilhosas! Não consigo imaginar algo melhor para elas.
    Sou louca para ler todos esses livros e devido a isso, quando vi que continha tremendos spoilers aqui, praticamente não os li ;)
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alê, fico feliz que tenha gostado da entrevista que trouxe. Acho legal dar oportunidade para todos os leitores. Esperto que possa ler a série em breve e depois podermos dividir os surtos!

      beijos

      Excluir
  7. Izabela!
    É tão bom gostar muito de uma autora e sua obra, né?
    Desejo demais todos os livros porque além de abordarem temas que gosto, as capas estão tão chamativas que nem dá para passar a leitura.
    Fico impressionada como as autoras tem insight para escrever coisas belas e responder as perguntas de formas apaixonadas.
    “Sentir é criar. Sentir é pensar sem ideias, e por isso sentir é compreender, visto que o Universo não tem ideias.” (Fernando Pessoa)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista de Dezembro, serão 6 livros e 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Rudy. Os livros e a autora são sensacionais!
      Trono de Vidro é uma experiência de leitura maravilhosa!

      beijos

      Excluir
  8. Iza, imagino a sua ansiedade pelo novo livro, ainda mais sabendo que nos EUA já tem e aqui não chegou.
    Gente, ela guardou o segredo por 14 anos? Uau! Eu já teria soltado antes, hahaha.
    Eu não li a entrevista toda porque estou doida para ler essa série, então não queria spoilers. :D
    Mas confesso que quero ler Corte de Rosas e Espinhos antes.
    Você fala TÃO bem dos livros dela que me convenceu a ler, haha.

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Teca, eu já li o novo livro. Mas preciso dele em português hahahaha
      Eu também teria soltado, gente. Mas ela manteve por causa dos sopilers.

      Fico feliz que tenha te convencido!!Você não irá se arrepender.

      beijos

      Excluir
  9. Ainda não li nem um livro da autora Sarah J. Maas, mas quero muito ler a série Trono de Vidro, e foi muito bom esse post para conhecer um pouco mais sobre os livros e claro essa entrevista maravilhosa, fiquei mais ansiosa ainda para ler a série.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mariele, leia tudo!
      fico feliz que tenha gostado do post!

      beijos

      Excluir
  10. Nossa quanto mais falam dessa série mais doida eu fico pra ler kk. Esta tudo muito bem explicado sobre os livros e sua ordem, não sabia que tinha um de contos. A entrevista esta muito boa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria, obrigada!
      Espero que possa ler os livros em breve!

      beijos

      Excluir
  11. Obrigada pela dica da ordem,pretendo ler em 2016 meu Trono de Vidro lindo *.*
    Não li a entrevista para não pegar spoilers.Só tenho uma dúvida se a série já tem uma quantidade de livros definida para acabar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por nada, Helen!
      E, sim, a quantidade definida são seis livros! (eu quero mais, não me importaria). hahahahaha

      beijos

      Excluir
  12. Tenho que comprar esses livros pra lê-los logo, ver essas resenhas só me deixa com mais vontade de ler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nadine, leia!!
      você amará, tenho certeza.

      beijos

      Excluir
  13. Nossa Iza! Quero muito essa série e como ainda não li sequer o primeiro livro, achei melhor evitar ler a entrevista pra não correr o risco de spoiler. Mas pude perceber que você é fã da autora e de fato ela é muito elogiada pelos seus livros e pelos personagens que ela cria pois geralmente são fortes e determinados. Já coloquei na meta pra 2016 e espero que dessa vez consiga comprá-los.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vania, Sarah escreve personagens fortes e mundos incríveis. Ler a jornada de Celaena será incrível, pode ter certeza. Seu 2016 promete!

      beijos

      Excluir
  14. Iza, vc me fez desejar muito essa série. Parece ser incrível!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mariana, a série realmente é maravilhosa. Que bom que pude chamar sua atenção para ela! Espero que leia todos os livros em breve hahaha

      beijos

      Excluir
  15. OMG! entrevista internacional, amei demais!
    conheço a serie, mas no momento não tenho interesse na leitura embora sejam livros de um dos meus genero favoritos, mas vou anota los como meta de leitura para 2016.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Emanoelle, fiquei muito feliz em poder trazer a entrevista pra vcs! Espero que seu 2016 seja maravilhoso hahahaha porque, de leituras, ele já está garantido.

      beijos

      Excluir
  16. Como já devo ter comentado por aqui sou doido pra ler esses livros, mas o preço deles é bem salgado, mas já vi um milhão de resenhas positivas e a vontade só aumenta, acho as capas lindas, espero ler em breve, valeu por me deixar com mais vontade ainda! Hahahah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João, eu sei como você se sente a respeito dos preços, eu sofri bastante. Espero que você possa ler todos em breve!
      Saiba que não irá se arrepender, caso precise investir nos livros!

      beijos

      Excluir
  17. Mds ,essas capas ,são lindas demais .
    Ainda não li essa série ,mas quero muito ,o enredo chama muitíssimo minha atenção ,e essas capas então ,só ajudam ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Jéssica!
      Tudo nessa série foi feito para que nós a desejássemos hahahaha as capas, a história, a protagonista, a autora... enfim: leia! você irá adorar.

      beijos

      Excluir
  18. Oi!
    Adorei a entrevista arrasou, terminei de ler Queen of Shadows e estava com varias perguntas desde lá e foi uma entrevista muito esclarecedora pois desde que li o conto de Yrene eu queria muito ver ela de volta e quando chaol vai para o sul se curar eu pensei nela também adorei a Lysandra depois que terminei de ler o livro gostei de como a Sarah meio que a transformou foi legal ver esse lado dela e adorei o quote do Sam em A Lâmina da Assassina !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz que você tenha gostado da rapidinha! Eu adorei cada segundo que passei escrevendo-a. Sarah faz isso mesmo, ela não dá um ponto sem nó. Afinal, ela passou anos criando e trabalhando esse mundo e suas personagens.

      Sam <3

      beijos

      Excluir
  19. Maaaaaaaaaaaan.... Essa mulher é demaiss!!! Como ela consegue colocar tanta coisa e juntar tudo de uma forma tão gloriosa?!?!
    Preciso muuuuito ler o próximo livro agora!!!! Tenho que checar tudo o que ela disse e morrer maravilhada com o final!!! *o*
    Não sabia que a favorita dela era a Lysandra! *o*
    Também amo ela demaais!!!
    Iza, sua tradução foi simplesmente perfeita!! Muito obrigada por expor um pouco mais sobre a Sarah para nós!!! *o*
    (Me lembra de te dar um abraço depois xD)
    Obrigada por me guiar nesse maravihoso mundo de ToG, Mestra!!! :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kah, eu fiquei tão feliz quando você disse que começaria a ler Trono de Vidro, porque essa é simplesmente a melhor série da vida inteira!
      Eu fiquei pulando quando percebi que poderia trazer essa entrevista para o blog! Então eu que agradeço por você tê-la lido e tê-la amado tanto quanto eu!
      Lysandra é uma força da natureza, gente. Simplesmente maravilhosa, uma personagem que surpreendeu a todos nós.
      A sinopse do quinto livro já saiu e eu estou tendo muitos problemas lidando com a minha ansiedade. Imagina se essa mulher vier pra cá na Bienal? Acho que eu tenho um ataque...
      Dá próxima vez que nos virmos, a gente surta juntas!

      beijos

      Excluir
  20. Pretento ler a saga, qual a ordem de leitura, uns falam para ler a Lamina assassina primeiro, outros pra começar por trono de vidro e então ler a lamina e depois continuar os demais.

    ResponderExcluir
  21. Ja estou lendo, um amigo indicou o blog. falando que tem muitos livros maravilhosos para indicarem,e estou amando

    ResponderExcluir

Obrigada por fazer três blogueiras felizes, seu comentário e sua opinião são muito importante pra nós! Todas as visitas e comentários serão retribuídos.

(Comentários contendo ofensas e palavras de baixo calão não serão aceitos).

Seguidores

No Instagram @bloglohs

Vem pro Facebook