#II Mês da Fantasia: O Sobrinho do Mago – As Crônicas de Nárinia #01

Autor: C. S. Lewis 
Título original: The Magician’s Nephew 
Ilustrações: Pauline Baynes 
Tradução: Paulo Mendes Campos  
Editora: Martinsfontes 
Páginas: 184 
Onde encontrar: AmazonBr | Americanas | Cultura | Saraiva | Submarino


Sinopse: A aventura começa quando Digory e Polly vão parar no gabinete secreto do excêntrico tio André. Ludibriada por ele, Polly toca o anel mágico e desaparece. Digory, aterrorizado, decide partir imediatamente em busca da amiga no Outro Mundo. Lá ele encontra Polly e, juntos, ouvem Aslam cantar sua canção ao criar o mundo encantado de Nárnia, repleto de sol, árvores, flores, relva e animais.
Se estamos no Mês da Fantasia, é bom que coloquemos na brincadeira uma das obras mais clássicas da fantasia. Você pode não ter lido ainda, ou já leu há muito e não se lembra dos detalhes, mas com certeza já ouviu falar nas Crônicas de Nárnia. 

Escritos por C. S. Lewis, professor, escritor, poeta e apologista cristão irlandês, os sete volumes compõem uma das obras mais bem sucedidas da literatura, sendo consideradas cânone da literatura infantil. Os livros foram escritos entre 1949 e 1954, com uma ordem um pouco diferente da conhecida e seguida pelos leitores de hoje. 

Digo isso porque começo a falar da saga pelo meu livro preferido, "O Sobrinho do Mago", que seria o primeiro – na ordem cronológica da construção ficcional -, mas foi o penúltimo volume lançado pelo autor. É aqui que Nárnia é, literalmente, criada. 

Polly e Digory são vizinhos, crianças mais ou menos da mesma idade. Vieram a se conhecer quando Digory, chorando por conta de seus problemas (tio louco, mãe doente, pai no exército, saudades do campo) é interpelado por Polly, que nunca o tinha visto antes. Conversando logo no dia em que se conhecem, e formando uma amizade rápida como apenas crianças são capazes, descobrem que as casas em que moram são conectadas por uma espécie de sótão em forma de corredor – e que ideia melhor do que explorar os andares até a casa vazia da rua? 

Ao descobrirem que, na verdade, a casa não estava vazia, as crianças se veem em apuros: tio André, o tal "tio louco" utilizava o sótão como laboratório para experimentos e, com um anel, fez Polly desaparecer. Digory, indo ao resgate, acaba por cair nas manhas do tio e é teletransportado para o mesmo lugar que Polly: um bosque entre diferentes mundos mágicos.

— Pois muito bem: eu vou. Mas tem uma coisa que faço questão de dizer antes de ir: até hoje não acreditava em magia. Agora sei que existe. Sendo assim, acho que os velhos contos de fada são todos mais ou menos verdadeiros. E o senhor não passa de um bruxo cruel como os que existem nos contos. Escute então: nunca soube de um bruxo que não acabass pagando por sua maldade no final da história. É só.
P. 13

A partir daí, os dois são levados a vários portais que levam, cada um, a um mundo. Dentre eles, encontram uma terra que parece morta e outra que não tem nada; um absoluto breu. E é aí que Nárnia começa. 

Escrito em terceira pessoa, o livro tem uma narrativa envolvente, como um contador de histórias. Não é um narrador onisciente e frio, mas um observador consciente da mente infantil e de como funcionam as brincadeiras de Polly e Digory, de como seu ritmo se dá, e de como animais falantes ou humanos gigantes podem ser tão facilmente assimilados. O autor e o narrador, em alguns momentos, se unem, e C. S. Lewis toma as rédeas da história para contá-la a seus leitores curiosos.  

A questão do espaço e do tempo pouco me interessam na maioria dos livros que leio, mas aqui ela tem um apelo diferente. É criado um espaço em que o tempo não passa, e as personagens transitam entre vários universos diferentes em que o tempo pode ter passado, pode ter acabado ou pode nem ter começado. Tudo isso conectado por um portal só, que é o bosque. As dimensões que o livro possui são muito maiores do que um mundo mágico que cabe dentro de um guarda-roupa, e poucas obras conseguem manejar essas esferas com a agilidade que Lewis consegue demonstrar.  

Não sei se faz muita diferença para outros leitores, mas para mim, o apelo que esse livro tem é muito grande quando eu penso nas mensagens bíblicas que Lewis insere no meio da fantasia. A gênese de toda a terra criada, os "filhos de Adão" e as "filhas de Eva", a simbologia do leão - sendo cristã, cada uma das passagens acaba sendo mais profunda do que poderia parecer a alguém que lesse apenas uma história para crianças. 

Lewis tem um jeito singular de escrever, que consegue prender a atenção de leitores tão novinhos, como era a Bel de 12, 13 anos, e de leitores mais maduros, como é a Bel de 20. Cada detalhe é encantador, e a vontade de conhecer Nárnia é um dos maiores desejos literários que já tive, maior até do que conhecer Hogwarts.  

Era impossível passar pelo mês da fantasia sem falar de um dos mestres do gênero. Sou suspeita, já que essa série, e esse livro especificamente, foi tão importante na minha formação como a leitora que sou hoje, e despertou meu interesse pela literatura. Mesmo assim, meu amor por Crônicas de Nárnia não é infundado e muito menos descredita o valor que a obra tem por si só: O Sobrinho do Mago tem o encantamento, a magia e o fascínio que todo livro de fantasia deveria ter.  





15 comentários :

  1. Não sabia que esse era o primeiro, li o volume único com todas as historias e adorei, lembrei dessa quando comecei a ler a resenha, pois faz anos que li. Adorei Polly uma menina bem astuta, aliás os dois personagens formavam um par certo e divertido. Só não gostei do tio louco rs.

    ResponderExcluir
  2. Tenho muita vontade de ler Nárnia, parece tão lindo! Vou colocar como meta para o ano que vem comprar esse livro, que além de um clássico é sempre muito elogiado. Amei a resenha, só me fez ficar com mais vontade de ler o livro!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Bel!!
    Ainda não li o livro de Nárnia. Até agora só assisti os filmes mas sempre tive vontade de ler esse livro!! Vou colocar esse livro na minha lista de compras para poder ler o mais breve possível.
    Beijoss

    ResponderExcluir
  4. Um dos meus livros preferidos da serie Narnia *-*
    Eu gostei tanto de ter lido esse livro e descoberto como tudo começou!
    Li na versão que é um livro unico pela MartinForntes editora, então esse foi oprimeiro livro do universo do Lewis que ue li <3
    Parabens pela resenha Bel! :3

    simplyonestory.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Em minha concepção, foi ao melhor livro dos 7 livros de Nárnia!
    Amei poder ter lido todos os demais, porém, 'O Sobrinho do Mago', foi sensacional! Amei! Amei! Amei!


    Beijos,
    Danny
    Irmãos Livreiros

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho o Volume Único faz um quatro anos e nunca li, minha irmã você brigando comigo por causa disso, mas não é culpa minha, toda vez que pego ele eu não consigo ler. Acho que eu tenha um pouco de medo de me decepcionar, sabe, eu nunca gostei do autor, tinha a mesma opinião de Tolkien, e apesar de ser Cristão e simplesmente amar quando trasem as passagens bíblicas pra literatura fantástica,acho que não gostei muito de como ele faz isso (tem toda a coisa da época e do preconceito que ele tinha), mas acho que só posso dizer qualquer coisa depois de ler, então prometo pra mim mesma ler nessas férias.

    ResponderExcluir
  7. Ah, gente. Nárnia!
    <3 <3 <3 <3
    Uma das minhas séries preferidas.
    E além de super legal e interessante, como você disse o fato de ser recheado de mensagens bíblicas, principalmente O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa e o último volume que eu esqueci o nome, é algo que faz toda a diferença.
    Eu li primeiro O Sobrinho do Mago e isso foi realmente muito bom para nos inserir no mundo maravilhoso que é Nárnia e saber como a Feiticeira foi parar lá.
    Nárnia e C. S. Lewis é sempre uma boa pedida, para qualquer idade!

    Beijooooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  8. Amo Nárnia demais!!! E os filmes eu sempre associo a momentos ótimos, que são quando eu os vi pela primeira vez, muita lembrança boa que se fosse falar agora seria um textão. Eu quero comprar o volume único desde que eu tinha uns doze, treze anos, mesmo sendo tão barato eu nunca consegui.... ATÉ ANTEONTEM que eu paguei meu boletinho de Nárnia e ler essa sua resenha só me fez ficar mais ansiosa pro livro, espero que chegue logo!!!! Resenha incrível, esse livro parece explicar muita coisa mesmo, com certeza vou ler assim que o meu chegar.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. nárnia!!!
    eu não conhecia essa capa(na verdade faz tempo que não vejo os livros separados) eu tenho edição que é tudo junto
    nem sei dizer qual dos livros é o meu favorito, são todos ótimos
    mas esse é especial. apesar de não ter sido o primeiro escrito é um ótimo primeiro contato
    os personagens são marcantes
    p.s. o cs lewis entrou na lista das séries a serem lidas???

    ResponderExcluir
  10. Ótima resenha, Bel, me deixou curioso. Até hoje não entendia porque a franquia de filmes da série começou com O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupas, e por isso tenho muita curiosidade de saber como tudo começa, de onde surgiu Nárnia e, principalmente, como prossegue a história. Mas sua resenha me deixou suspeitas de qual fora o motivo de não seguirem a ordem cronológica da história. Se não fosse tantos livros prioritários (da especialização, da campanha do meu blog, etc.) eu já teria lido Nárnia, mas um dia farei.

    ResponderExcluir
  11. Realmente, não poderia deixar de passar As crônicas de nárnia. Eu sou muito fã tanto dos filmes quanto dos livros. No começo dá uma loucura na cabeça pra saber a questão das ordens que são diferentes, mas no final fica tudo certo haha.
    É um livro realmente muito envolvente e que deixa o leitor preso do começo ao fim.
    Livro nota 1000 !

    ResponderExcluir
  12. Oi Bel, tudo bem?
    Eu morro de vontade de ler As crônicas de Nárnia, sou totalmente apaixonada pelos filmes, então nem imagino como vai ser com os livros.
    A sua resenha está muito bem feita, adorei saber isso da questão do tempo, e aposto que eu para mim essas passagens também vão ser mais profundas.
    Mais uma meta para 2017, ler As Crônicas de Nárnia, e me apaixonar ainda mais por esse mundo de fantasia.
    Beijos!
    Lost Words

    ResponderExcluir
  13. Já li as crônicas de Nárnia mas naquele volume único... Não conhecia essa edição. As histórias são extremamente cativantes,com uma analogia com a realidade que proporciona uma reflexão sobre nosso mundo. Amo amo!

    ResponderExcluir
  14. Amei o livro e recomendo a todos adoro as cronicas de Nárnia e principalmente o leão a feiticeira e o guarda roupas

    ResponderExcluir
  15. Li todas as histórias de Nárnia, e essa foi a história mais fraquinha na minha opinião... Mas isso considerando a grandiosidade da obra, pois é uma história encantadora também.

    ResponderExcluir

Obrigada por fazer quatro blogueiras felizes, seu comentário e sua opinião são muito importante pra nós! Todas as visitas e comentários serão retribuídos.

(Comentários contendo ofensas e palavras de baixo calão não serão aceitos).

Seguidores

No Instagram @bloglohs

Vem pro Facebook