#II Mês da Fantasia: Princesa Mecânica - TDI #03

Autora: Cassandra Clare
Título original: Clockwork Princess
Tradução: Rita Sussekind
Série: As Peças Infernais
Editora: Galera Record
Páginas: 434 [edição de colecionador]
Onde encontrar: AmazonBR | Submarino | Saraiva
Sinopse: Princesa Mecânica é ambientado no universo dos Caçadores de Sombras, também explorado na série Os Instrumentos Mortais. Neste volume, o mistério sobre Tessa Gray e o Magistrado continua. Mas, enquanto luta para descobrir mais sobre o próprio passado, a moça se envolve cada vez mais num triângulo amoroso que pode trazer consequências nefastas para ela, seu noivo, seu verdadeiro amor e os habitantes do Submundo.

Senhor amado, por que, só me diz por que, a Cassandra faz seus leitores sofrerem tanto? Recentemente dei uma organizada na lista de resenhas aqui do LOHS e percebi que ainda não tínhamos resenhado essa obra prima ainda. Príncipe Mecânico foi resenhado em dezembro de 2015. E achei que nossa segunda edição do Mês da Fantasia merecia o terceiro volume da trilogia As Peças Infernais.

É difícil falar de um livro tão perfeito, doloroso e incrível como esse. E uma responsabilidade tremenda também. Como fã, eu poderia ficar horas aqui falando sobre o quão surreal Princesa Mecânica é. Como blogueira, tenho o dever de relatar a vocês o quão despedaçada eu fiquei após concluir, pela segunda vez, a leitura desse livro. 

Para aqueles que não estão familiarizados com o mundo fantástico dos Caçadores de Sombras, vale conferir minha #Rapidinha: Os Caçadores de Sombras, um post no qual explico a ordem de leitura, falo um pouco sobre Cassandra e suas séries e as adaptações cinematográficas já feitas.

Vamos nos situar: o que aconteceu em Anjo e Príncipe Mecânico? Tessa Grey é perseguida pelo Magistrado, um homem que cria autônomos, criaturas mecânicas, com o propósito de destruir o mundo dos caçadores de sombras. Tessa tem a habilidade de mudar de forma, por isso, depois de ter sido resgatada por Will Herondale, ela ajuda os caçadores de sombras do Instituto de Londres a seguirem as pistas deixadas por Mortmain no Submundo. Jem Carstairs, parabatai de Will, se encanta por Tessa e os dois acabam noivos. Mas o que acontece nos livros de Cassandra?

Tortura. Dor. Sofrimento. Ou seja, tudo do melhor que a literatura pode oferecer.

Will ama Jem e Jem ama Will. Eles são parabatai, compartilham o laço mais sagrado que Caçadores de Sombras podem ter. Tessa ama os dois e os dois amam Tessa. Esse é o único triangulo amoroso que eu consigo ler! Porque, além de ser escrito com a maestria da Cassandra Clare, é um triângulo que funciona. Nenhuma das partes é egoísta e deseja o amor somente para si, todos são altruístas e estariam dispostos a morrer para que as outras duas partes fossem felizes. Você entende? É tanta dor. E é aqui, neste último volume, que tudo será concluído. Que todos os pontos finais serão postos. Medo? Medo.

“Os três eram um emaranhado quase incompreensível, mas havia uma certeza: a de que não faltava amor entre eles.” Tessa, p. 367


Como sabemos, Jem depende da droga yin fen para sobreviver: a mesma substância que o mantém vivo é o que o matará. Will sabe disso. Tessa sabe disso. Nós sabemos disso. Mas o que acontece? JEM NÃO PODE SIMPLESMENTE MORRER. Qualquer outro resultado que este livro tenha é simplesmente ultrajante. Como Cassandra pode nos fazer amar tanto para que depois nós tenhamos nossos corações destroçados, certo?
"- É a única maneira de isso tudo significar alguma coisa. Do contrário, não passará de...
- Dor e sofrimento desnecessários e sem propósito? Não suponho que dizer que a vida é isso vá ajudar de alguma forma." Will e Magnus, p. 98

Bom, esses são alguns dos laços amorosos que regem essa história. Continuemos!

As Peças Infernais não têm pena.
As Peças Infernais não têm arrependimento.
As Peças Infernais não têm número.
As Peças Infernais nunca deixarão de vir.

Mortmain é a maior ameaça que os Caçadores de Sombras enfrentam no século XIX. Já sabemos porque ele quer fazer tudo isso: vingar a morte de seus pais, os quais foram assassinados por Caçadores de Sombras que acreditavam ser melhores e que destruíam aqueles que eram diferentes. Será que o Magistrado tem razão ao agir assim? Ou nossa Tessa está certa: não busque vingança e chame de justiça? A dor que lhe foi infligida jamais justificará a dor que você propositalmente infligir nos outros, na minha opinião.

Essa é uma das mensagens maravilhosas que temos na escrita de Cassandra. Nossa autora ainda trata de feminismo. Charlotte é pequena e absurdamente forte. Henry, seu marido, é um inventor. Os dois formam uma dupla maravilhosa, no entanto, para homens como o Cônsul Wayland, a postura e as atitudes de Charlotte são simplesmente depravadas. Como uma mulher ousa desafiar ordens? Como uma mulher ousa tomar suas próprias decisões? Como Charlotte ousa fazer aquilo que acha melhor para seus Caçadores de Sombras sem consultar seu superior imediatamente?

Temos outras situações em que a força feminina é mostrada e homenageada. Ou seja, ler Cassandra é quebrar tabus, é ler personagens femininas mostrando que não mais aceitaremos desrespeito, jamais nos submeteremos e provando que iremos ascender. Ganhar nosso lugar de igualdade no mundo, um passo de cada vez.
"- Por menos utilidade que enxergue em nós, somos mais inteligentes, determinadas e pacientes do que os homens. Homens podem ser mais fortes, mas são as mulheres que sobrevivem." Tessa, p. 100
Para que o objetivo de Mortmain seja cumprido, ele precisa de Tessa. E fará de tudo para consegui-la. Ameaçar a vida de Jem é uma forma. O Magistrado comprou toda a droga disponível em Londres e bloqueou novas remessas. Basicamente, a vida de Jem está nas mãos do maior inimigo de sua noiva. Ela se recusa a deixá-lo morrer, ele se recusa a arriscar sua vida. E Will não sabe o que fazer. Todos sabemos que a vida de Jem não duraria muito, mas é ultrajante que acabe assim.
"- Toda vida é finita, Will. E você sabia, quando o escolheu, que ele iria primeiro." Magnus, p. 184
No entanto, as palavras de Cassandra a respeito desses dois, desses parabatai são simplesmente lindas. Cada frase é como uma pontada de ferro no seu coração, uma agonia gelada, da qual você só quer que coisas boas aconteçam, mesmo sabendo que é impossível. Você só pede por um milagre literário, para que tudo dê certo. Para que suas personagens, aqueles pedaços da sua alma, possam ser felizes. (Você percebe que eu não consigo falar de um assunto sem voltar no amor de Will e Jem, né? Então tá. Não vou pedir desculpas por isso).
"- Não posso deixá-lo de encarar a morte sozinho.
- Não estou sozinho. Onde quer que esteja, somos um.
- Se existe uma vida depois dessa, permita-me encontrá-lo, James Carstairs
- Haverá outras vidas. O mundo é uma roda. Quando nos elevamos ou caímos, o fazemos juntos." Will e Jem, p. 193

Bom, o que mais temos acontecendo no livro que vocês precisam saber? Sob o teto do Instituto de Londres, os Lightwoods acham um refúgio. Giedon já havia percebido que o pai, Bennedict, escolhera o lado errado da guerra, por isso confiou sua lealdade à Charlotte. Gabriel, no entanto, só descobre que precisa do irmão mais do que nunca depois de presenciar seu pai se deteriorar. Antes, a rixa entre Will e Gabriel era cômica, agora, veremos o caráter de ambos aparecer. Gabriel precisa aprender que a família nem sempre está certa e que não precisamos ser definidos pelas escolhas de nossos pais.
"- Não faça com que me arrependa de confiar em você, Gabriel Lightwood." Charlotte, p. 59
Quem o ajuda nesse quesito é Cecily Herondale, irmã de Will. Ela veio com um propósito, levar o irmão para casa. Porém, vai descobrir que os Caçadores de Sombras não são as criaturas terríveis que imaginou. Pelo menos não os do Instituto de Londres. Ela é uma garota observadora e muito sábia. Luta com paixão e sabe admitir quando está errada, apesar de ser tão irônica quanto seu irmão!
“- Não se arrependa demais das escolhas que fez no passado, Gabriel. Apenas faça as certas no futuro. Somos capazes de mudar e de sermos o melhor que podermos.” Cecily, p. 215
Ah!, eu posso (e devo) falar também de nossa ilustre presença: Magnus Bane. Aqui, temos a oportunidade de vê-lo auxiliando Henry Branwell na criação de objetos aos quais estamos familiarizados em Os Instrumentos Mortais. Magnus, como sempre, brilha. Aqui, vemos seu passado, seu histórico com Caçadores de Sombras e podemos nos tornar cientes de piadas e detalhes em Cidade dos Ossos, por exemplo, que fazem total sentido depois que conhecemos sua história em Londres.
"- Sinto como se devesse a ele. Já ouvi dizer que quando você salva uma vida, se torna responsável por ela." Magnus, p. 103
Eu poderia falar da delicadeza de Sophie, da força bruta de Bridget e da presença de Cyril. Poderia falar de Jessamine voltando para casa e cumprindo seu dever finalmente. Poderia comentar as incríveis citações que Cassandra seleciona para iniciar seus capítulos. Poderia falar de como eu chorei, em cada página; de como minha garganta está apertada ao escrever essa resenha. Poderia falar da guerra iminente guerra contra os autômatos. Poderia rasgar meu coração e chorar com vocês a respeito do epílogo deste livro. 

Mas não vou fazer nada disso. Sei que minhas palavras não podem resumir ou transmitir todas as emoções que esse livro causa em seus leitores. Só quem lê sabe. Por isso, acreditem em mim quando digo, você nunca mais será o mesmo depois de ler As Peças Infernais; passará a enxergar o mundo com outros olhos, a amar com mais intensidade, a buscar justiça, a defender os fracos e a ser uma pessoa melhor. Por quê? Porque podemos estar lendo sobre Caçadores de Sombras, lobisomens e feiticeiros, mas todos eles são humanos. 

Eu amo esse mundo e este é um dos livros mais redondos que já li. É perfeito do começo ao fim. Além de oferecer uma ótima história, acredito que o maior presente que esse livro nos dá é o amor. É se transformar na referência que você tem para dizer: eu sei o que é amar. E amar é isso:

"- Quis mostrar para você que eu não seria destruído, que o amor não era tão frágil. Fiz isso?
- Você salvou minha vida.
- Isso é tudo o que sempre quis." Jem e Will, p. 90

"- Posso lhe dizer que o fim de uma vida é a soma do amor que ela viveu. [...]. Desde que o conheceu, jamais o deixou e nunca parou de amá-lo. Isso que importa." Magnus, p. 186


"- A vida é um livro e há mil páginas que ainda não li." Will, p. 411














Seção das Quotes

"Gentil, porém firmemente, colocava Will acima de tudo no mundo." Cecily sobre Jem, p. 24

"- Você acha que não posso lutar porque sou uma menina.
- Acho que você não pode lutar porque está com um vestido de noiva. Se serve de consolo, acho que com essa roupa Will também não poderia lutar.
- Talvez não. Mas eu seria uma bela noiva." Tessa, Jem e Will, p. 36

"Pois ser sábio e amar
Excede a capacidade do homem." Shakespeare

"- Viver é mais do que não morrer." Jem, p. 69

"- Não posso pedir que faça algo que sua consciência não permita.
- Minha consciência. Você é minha consciência. Sempre foi, James Carstairs.", p. 71

"- Hoje de manhã era caridad, agora é idiota?" Cecily, p. 74

"- Já disse cem vezes, Henry, que nenhum filho meu se chamará Buford..." Charlotte, p. 80

"- Eu posso viver para sempre.
- Eu sei. E sinto muito por isso, pois considero um fardo que ninguém deveria ter de suportar." Tessa e Jem, p. 84

"- É tudo. E não o culpo se me odiar. Posso entender.
- Jamais poderia odiá-lo, William." Will e Jem, p. 89

"- A maioria das pessoas tem sorte se encontra um grande amor na vida. Você encontrou dois." Woolsey, p. 100

"Como quer que fosse, parecia assustador ser tão ligado a outra pessoa, principalmente a alguém tão frágil quanto Jem." Cecily, p. 133

"- Você não faria isso. Não me insultaria jogando fora um sacrifício que fiz por você.
- Prefiro insultá-la a perdê-la." Tessa e Jem, p. 136

"Como três pessoas que gostavam tanto umas das outras podiam se ferir tanto?" Tessa, p. 141

"- Tessa, você achou que pudesse haver alguma briga grande ou pequena, capaz de me fazer deixar de amá-la?" Jem, p. 148

"- Eu lhe daria mais em duas semanas do que a maioria dos homens daria em uma vida." Jem, p. 151

"- Eu a amo mais desesperadamente neste momento do que jamais o fiz, e daqui a uma hora a amarei ainda mais. É injusto lhe dizer isso, eu sei, quando você não pode fazer nada a respeito." Will, p. 157

"[...] e espantei-me que eu [...] pudesse viver, estando ele morto. [...]: portanto, minha vida era um horror para mim, pois não podia viver pela metade. E, portanto, eu talvez temesse morrer, com receio de que aquele que amei morresse por inteiro." Confissões, de Santo Agostinho

"- Esses Herondale. Teimosos como mulas." Cônsul, p. 179

"Apesar de minha alma viver na escuridão, se erguerá em plena luz. Amei demais as estrelas para temer a noite." The Old Astronomer, de Sarah Willians

"- Você me é tão caro quanto metade de minha alma, Jem. Eu não poderia ser feliz se você fosse infeliz." Will, p. 190

“Será que ele entendia o que estava oferecendo, a tentação?” Sophie, p. 216

“- Eu poderia brilhar sempre que sentisse vontade!” Magnus, p. 219

“- É muito fácil amar Will, e ele deu a ela todo o seu coração. Dá para ver. Espero que ela não o parta.” Jem, p. 224

“- Oh, Deus! O que eu faço?
- Faça o que seu irmão gostaria que você fizesse.” Will e Woolsey, p. 247

“Estrelas, ocultem seus fogos;
Não permitam que a luz enxergue meus desejos negros e profundos.” Macbeth, Shakespeare

“Há anos esta Marca e a presença de Jem foram tudo que Will teve como garantia de que era amado por alguém. Tudo que precisava saber era que era real e existia.” Will, p. 253

“- Meu anjo da guarda.
Poucos podem reclamar um único anjo que os guarde. Mas você pode.” Tessa, p. 305

“- E estou... catastroficamente apaixonado por você.” Will, p. 318

17 comentários :

  1. Heyy!
    Amo o mundo que a Cassandra criou!
    Não li a resenha até o final para não ter spoilers (pretendo ler a serie rsrs) mas já estou mais apaixonada do que estava!
    ouvi comentarios do tipo "esse é o unico triangulo amoroso que vc realmente fica indeciso" e só pude deixar de ficar curiosa sobre esses tres!
    parabens pela resenha! :*

    simplyonestory.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, Izabela!!
    Não li toda sua resenha pois essa trilogia As Peças Infernais será a minha próxima leitura e como não queria saber muito do desenrolar da história não li muito, mais sem dúvida nenhuma estou super ansiosa para ler esses livros da Cassandra Clare.
    Beijoss

    ResponderExcluir
  3. Preciso ler essa trilogia, mas tem tantos na frente rs, adoro esse mundo, que bom que tem o Magnus Bane adoro ele, parece ser um livro que desperta vários sentimentos no leitor, só não gostei da parte do triângulo amoroso que odeio, mas pelo menos não tem aquela ambição que tem nos outros. Nossa e que dilema Tessa e Jem passam, acho que sofremos junto com eles.

    ResponderExcluir
  4. Izabela, eu li a resenha por cima, confesso!
    Porque acabei há pouco tempo Os Instrumentos Mortais e vou ler em breve As Peças Infernais. E apesar de saber como API termina, por causa do Fogo Celestial, não quero tomar spoilers do meio.
    Mas o que você disse, é bem verdade: Ô Cassandra Clare que gosta de fazer a gente sofrer!
    Ela nos despedaça, rejunta e despedaça de novo, hahaha.
    Pior que ela só o George R. R. Martin!
    Muito bom saber que Magnus Bane aparece por aí <3

    Beijooooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  5. As obras da Cassandra Clare parecem ser super boas, só vejo elogios de todos. Apesar de parecer legal confesso que tenho preguiça por serem vários livros, mesmo que amigos tenham me falado que dá pra ler só essa trilogia e entender tudo. Gostei da resenha! Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Cassandra Clare é uma escrito ótima!!! Tem como ler um livro dela e não achar perfeito? Porque além disso ela é super criativa. E essa é mais uma série de livros que ela arrasou escrevendo.
    E tem como não falar de Will e Jem? Os olhos chegam a brilhar só de citar eles kkkkkk. A série tem um monte de passagens incríveis e você escolheu ótimos quotes para colocar.
    Ótima resenha. Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Eu sou uma completa contradição quando se trata dessa série. Eu li absolutamente todos os livros, mas não sou fã, tem coisas que eu amo sobre esse universo que a autora criou, tem coisas que eu odeio, sério, não sei o que sentir kkk, acho que tenho que parabenizar os livros por isso.
    As peças infernais são a minha saga favorita, e tem muita coisa que eu realmente amo nela, a questão feminista, o tratamento maravilhoso que ela dá as minorias, o modo como o amor é retratado, e acho que é aqui que eu não suporto, é muito amor e eu não sei lidar com isso.
    Adorei a resenha, vou procurar as outras.

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?
    Já li "Príncipe mecânico" e gostei bastante. Mas como já faz bastante tempo sempre enrolo pra ler a continuação. Mas pretendo ler sim.
    Amei a resenha.
    Beijos!

    Excêntrica Garota

    ResponderExcluir
  9. Uau!
    Izabela que resenha TOP!
    Preciso ler pois depiois de ler esta resenha, já vuiu, né? Se não ler, tô frito! Tu vai me matar! hehehe!

    Beijos,
    Danny
    Irmãos Livreiros

    ResponderExcluir
  10. eu tb adoro o universo criado pela Cassandra!!!
    cada livro dela é melhor do que o outro
    e a tessa?e o jem e o will???


    amei os quotes!! foram boas lembranças das leituras =)

    ResponderExcluir
  11. Estou na metade de Instrumentos mortais e estou amando, não tem como não querer seguir as histórias.
    Cassandra Clare adora fazer isso mesmo, nos envolve com o personagem e depois destroça nossos corações. Mas é por isso que acaba se tornando tão maravilhoso ler seus livros, apesar de na hora me deixar triste, depois tudo tem o seu porquê.
    Com certeza estarei dando continuidade a série.

    ResponderExcluir
  12. Você fala de uma forma tão apaixonada desta série que não é possível que seja ruim. Não sou muito ligado em romances, é mais fácil o mundo desabar do que eu deliberadamente e de livre e espontânea vontade pegue um para ler. Contraditoriamente já escrevi histórias com pares românticos como centro da narrativa e não me importo que eles apareçam nos livros e filmes que leio/assisto. Até torço pelo casal. Mas diferentemente dos livros românticos, os pares que aparecem nestes livros que leio são bem menos melosos. Esse ano só li um livro romântico para ajudar um aluno e gostei do livro por causa de um personagem específico que, inclusive, não era parte do par romântico. O livro foi Beleza Perdida de Amy Harmon. Pela sua resenha, parece que, por misturar diferentes estilos (romântico, ação, magia, etc.) o livro é todos eles e ao mesmo tempo nenhum especificamente. Por isso vou anotar sua dica.

    ResponderExcluir
  13. Oi Izabela, tudo bem?
    Primeiro quero agradecer pelo post #Rapidinha, quero muito começar a ler mas não sabia a ordem agora é só se jogar háhá;
    Eu acho essas capas tão maravilhosas.
    Nossa, é a primeira vez que vejo um triangulo amoroso dessa forma, super diferente dos clichês, deve doer mais ainda lendo :x
    Livros que mostram a força feminina ganham um lugar especial no meu coração <3
    Você conseguiu me passar toda a emoção através da resenha, que resenha linda Iza, nossa, sem palavras aqui.
    Só preciso ler o quanto antes :X
    Beijos!
    Lost Words

    ResponderExcluir
  14. Não li nenhum livro da autora ainda, mas muitas das minhas amigas amam... Gostei muito dessa história, quero ler!

    ResponderExcluir
  15. Quero ler e não conheço a autora mas concerteza ela e muito talentosa para criar este livro

    ResponderExcluir
  16. Não li nenhum livro da Cassandra ainda, mas já ouvi muitas críticas positivas. Li só a sinopse por medo de algum spoilerzinho da série na resenha haha

    ResponderExcluir
  17. Iza, manda ajuda, porque eu tô no chão!
    Os livros da Cassandra sempre me causam muitas emoções, a ponto de eu rir e chorar ao mesmo tempo ou gritar, fazendo alguém aqui em casa se assustar. Talvez por isso eu tenha amado tanto a sua resenha. Porque quando vamos falar dos Caçadores de Sombras, simplesmente não tem como ficarmos plenos e imparciais. É emoção demais!
    Mas você fez seu trabalho crítico e mostrou o quanto esse livro não é só um livro. Uma história que sai das próprias páginas e nos envolve de tal forma que não pode ser ignorada. Mas pode,sim, ser bem criticada.
    Eu mal posso esperar para ler esse último livro e espero que você segure minha mão o tempo todo, porque já vi que não vai ser fácil.
    Parabéns pelo trabalho, chuchu! Só me dá orgulho (e alguns spoilers)!
    <3

    ResponderExcluir

Obrigada por fazer quatro blogueiras felizes, seu comentário e sua opinião são muito importante pra nós! Todas as visitas e comentários serão retribuídos.

(Comentários contendo ofensas e palavras de baixo calão não serão aceitos).

Seguidores

No Instagram @bloglohs

Vem pro Facebook