O Menino Feito de Blocos

Autor: Keith Stuart
Título original: A Boy Made of Blocks
Tradução: Ana Carolina Delmas 
Editora: Record
Páginas: 378
Onde encontrar: AmazonBr | Americanas | Cultura | Saraiva | Submarino | Travessa


| Livro cedido como cortesia pelo Grupo Editorial Record |

Sinopse: Alex ama sua família, mas tem dificuldade em se conectar com Sam, o filho autista de oito anos. A tensão crescente da rotina leva seu casamento ao ponto de ruptura. Jody não aguenta mais o marido ausente e que pouco participa da vida do filho. Então Alex vai morar com o melhor amigo, e passa a dormir no colchão inflável mais desconfortável do mundo. Enquanto Alex enfrenta a vida de homem separado, cumpre a função de pai em meio-expediente e é confrontado com segredos de família há muito enterrados, seu filho começa a jogar Minecraft. E o que acontece depois disso é algo que nem Alex, nem Jody, nem Sam poderiam imaginar. Inspirado no relacionamento do autor com seu filho autista, O Menino Feito de Blocos é um livro emocionante, engraçado e verdadeiro sobre o poder da diferença e sobre um menino para lá de especial.

O autismo é um tema que me chama muito a atenção desde que assisti ao filme inspirado na vida de Temple Grandin, uma mulher autista que revolucionou as práticas para o tratamento racional de animais vivos em fazendas e abatedouros no Estados Unidos. Ela nasceu em uma época em que pessoas autistas eram internadas em hospitais psiquiátricos durante a vida inteira, mas, indo contra a corrente, Temple foi encorajada pela mãe e pelo professor de ciências a seguir os estudos até chegar à universidade. Temple Grandin hoje é uma profissional muito bem-sucedida e foi mencionada pela revista Time na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo, na categoria dos "Heróis". 

Confira o trailer do filme sobre Temple Grandin:


Por isso, quando recebemos esse lindo presente do Grupo Editorial Record, eu não tive dúvidas que queria muito ler. 

Keith Stuart
O autor, Keith Stuart, escreve sobre games para o jornal britânico The Guardian e, em um de seus artigos, explicou como o Minecraft mudou o relacionamento que ele tinha com o filho autista. Esse texto foi o que chamou a atenção de um editor que convidou Stuart para escrever um livro inspirado no tema. E foi assim que nasceu O Menino Feito de Blocos.

O livro tem a narrativa feita pelo protagonista, Alex Rowe, um homem que está se separando da esposa, não sabe lidar com o filho autista, não superou a morte do irmão mais velho e ainda odeia o seu trabalho atual. Mas o problema verdadeiro é que ele não sabe como “consertar” tudo o que está errado em sua vida. E ele quer consertar tudo. De verdade.


Se estivéssemos participando de alguma espécie de reality show na televisão, eu confessaria para a câmera que nós não "enfrentamos os nossos problemas", nem "lidamos com o passado", ou qualquer coisa assim. Não sei se um dia faremos isso porque a) agora é um pouco tarde e b) nós somos ingleses.
Alex, p. 169

Vamos aprendendo a gostar de Alex cada vez mais. As facetas que nos são mostradas desse personagem, por mais que apresentem muitos erros e fracassos de sua vida, mostram também sempre o desejo de fazer o melhor por todos, seja pela esposa Jody ou pelo filho Sam ou pela mãe que vive distante ou pela irmã que vive viajando o mundo e não vê há anos.

Alex carrega o mundo nas costas. Ele sente a obrigação de trabalhar em um lugar que ele odeia para poder pagar o tratamento do filho autista e a hipoteca da casa da família. Ele quer a felicidade do filho, mas o autismo parece atrapalhar sua vida e ele não sabe o que fazer para melhorar a situação. 

Além disso, Alex ama a esposa Jody, só que nos últimos oito anos juntos tudo o que discutem é sobre o que fazer com relação à Sam, sua infelicidade na escola, seus problemas sociais e etc. Agora o relacionamento entre os dois ficou em segundo plano, Alex se encontra cada vez mais ausente em casa e quando está presente sempre tenta fugir do estresse de lidar com as crises de Sam e vive discutindo com Jody.


Quando Jody diz que não aguenta mais a situação, Alex se vê obrigado a dar um jeito. De alguma forma. Por isso ele pede abrigo ao melhor amigo, Dan, um designer extremamente carismático e de muito sucesso, enquanto tenta “consertar” tudo. 

Dormindo em um colchão inflável e furado, Alex repensa na sua vida, nos seus traumas - que incluem principalmente a morte de seu irmão mais velho, George - e no colapso do seu casamento. Alex considera que é tudo culpa dele, de sua ausência em casa por causa do trabalho e também pela vontade imensa de fugir sempre que o filho tinha um ataque. Aos poucos, Alex tenta achar o melhor caminho para seguir.



Mas é quando Sam fica completamente viciado no jogo Minecraft, que Alex encontra uma abertura para começar um relacionamento de verdade com o filho. E é por causa do Minecraft que Alex finalmente consegue ter uma conversa que não seja monossilábica com Sam e se incluir cada vez mais na vida dele.

-Quando eu for adulto, vou planejar tudo muito bem, com certeza - diz ele.
-É, mas às vezes a vida simplesmente joga coisas em você.
-Aí eu me agacho.
Sam e Alex, p. 288

Como nem tudo na vida são flores, essa trajetória de mudança de vida de Alex terá altos e baixos. Em alguns momentos, Alex ficará extremamente depressivo com a situação e não terá nenhuma noção do que deve fazer. Mas como ele é um cara de sorte, poderá contar com o melhor amigo Dan, a irmã Emma que estará de volta à Inglaterra, o casal de amigos Matt e Clare, e sua mãe - mesmo vivendo em uma cidade distante. 

Agora parece que tudo está ficando mais claro, como a luz do sol fluindo por uma paisagem desconhecida. Ele não é um problema, ele é perfeito. Ele é meu filho lindo. É engraçado, inteligente, cheio de curiosidade, e conecta as coisas de jeitos estranhos, mas geniais. A imaginação dele é uma fornalha gigante que esculpe significado a partir dessa confusão de ruídos. Por que eu não vi isso antes? E o que é ainda mais irritante, enquanto eu lutava para desvendar tudo, crianças inteligentes como Olívia e Tabitha entenderam o Sam de primeira. O tempo todo achei que era ele, preso em seu mundinho. Mas era eu.
Alex, p. 320

Muito mais que falar sobre o autismo, O Menino Feito de Blocos é uma jornada de autoconhecimento maravilhosa. Logo no começo do livro Jody diz à Alex que ele tem vivido como um sonâmbulo e que já está na hora de acordar. E é basicamente sobre isso que o livro trata. 
Esse homem incrível, tão amável e preocupado com os outros, vive com medo de tudo e não consegue realmente relaxar e aproveitar os momentos simples da vida. Alex vai se descobrir preso em um mundinho de preconceitos e medos, mas lutará com todas as forças para se libertar. 
Será graças a um jogo de videogame que ele vai conhecer seu filho de verdade e aprender a lidar com a forma como Sam vê o mundo - que não é a mesma que ele. E o desenvolvimento do relacionamento de Alex com o filho Sam será o principal ponto de partida para todas as mudanças que vão ocorrer na história e na vida deles. 


O Menino Feito de Blocos é uma ficção que poderia ser uma história real, escrita com muita sensibilidade e um humor único. Não posso descrever quão profunda é a emoção que esse livro transmite, mas é extremamente tocante e eu terminei a leitura com os olhos cheios d’água. Foi, sem sombras de dúvidas, inesquecível. 
Então, recomendo que faça um favor a si mesmo e vá ler esse livro imediatamente.

-A vida é uma aventura, não um passeio. É por isso que é difícil.
Meu coração parece que vai explodir; um grande show de fogos de artifício de orgulho e amor. Eu me viro para dizer algo para a Jody, mas não encontro as palavras.
É por isso que é difícil - porque a vida é extraordinária e cheia de significado, e coisas assim têm um custo. É preciso ser paciente, forte e estar preparado. Por muito tempo nessa aventura eu fui um tolo - eu via Sam como um obstáculo, algo do qual eu precisava desviar. Mas eu estava errado. Sam era o guia. Sam sempre foi o meu guia.
Sam e Alex, p. 360 




14 comentários :

  1. Oi, Carol!!
    Que livro mais emocionante!! Adorei conhecer um pouco mais desta história tão comovente. Fiquei muito curiosa de como um jogo vai aproximar pai e filho e também como tudo vai acontecer nesse livro. Enfim, esse é um livro muito instigante e com um tema que não lembro ter lido recentemente.
    Beijoss

    ResponderExcluir
  2. Oi Caroline, eu quero muito conhecer a história desse livro. Achei muito bacana a trama e acredito que vou me emocionar muito.
    Beijos
    [SORTEIO] Aniversário de 1 Ano: Livro - Perdida
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  3. Carol, estou querendo ler esse livros desde o início do mês. Achei a história muito interessante e sensível.
    O modo como o autor retratou algo tão delicado quanto o autismo é se parabenizar. E percebemos como um amor de pai supera todas as barreiras.

    ResponderExcluir
  4. Carolina!
    Lindo poder ver a evolução de um personagem que está cheio de temores e receios na vida, poder evoluir ao ponto de conseguir se conectar com um filho autista e manter um canal de comunicação com ele através de um jogo de game.
    Achei a ideia genial, além de toda lição que o livro passa.
    “Existe apenas um bem, o saber, e apenas um mal, a ignorância.” (Sócrates)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  5. Oi Carolina, Alex parece ser um personagem muito humano, erra, assume, tenta consertar, ama a família e o filho (que diálogo fofo esse da pág. 288) e isso é o que torna o livro tão interessante e ainda tem o fato de passamos a conhecer um pouco sobre o autismo. A dica é muito boa e se tiver a oportunidade vou querer ler sim ;)

    ResponderExcluir
  6. Carol querida, desde que você me falou desse livro, achei de uma delicadeza e sensibilidade tão linda que fiquei com vontade de ler.
    Autismo também é um tema que me chama a atenção por causa de algumas matérias que fiz na revista que trabalhava.
    Que história mais linda, gente!
    É aquele tipo de livro que com certeza vai me impactar para o resto da vida.
    Adorei a indicação.
    <3

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com
    www.livrosdateca.com

    ResponderExcluir
  7. Que historia tocante, preciso ler, deve ser muito boa em nos passar mais conhecimentos sobre o autismo e como devemos lidar com alguém que tenha, que bom que o pai conseguiu descobrir um meio de se comunicar e entender o filho através de um jogo.

    ResponderExcluir
  8. Que lindo Carol!
    Enredo emocionante e bem cativante tbm, não consigo vê-lo de outra forma, até eu conseguir ler...
    Tá na fila, espero conseguir ler o qto antes!
    Bjs e parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  9. Venho de olho nesse liro faz um tempão porque gosto muito de ler livros com histórias de amor, superação, essas coisas. E da pra perceber que esse livro trata de uma história linda entre pai e filho. Quero muito ler!

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito da historia desse livro, principalmente a forma franca que a autor fala sobre o autismo e por o livro trata dessa relação entre pai e filho, a forma bem humorada do livro também me surpreendeu e se tiver oportunidade com certeza irei ler essa historia !!

    ResponderExcluir
  11. Que resenha mais linda, e a melhor parte é que o assunto é tratado com toda a sensibilidade que necessita o tema é com muita amor, até porque o autor tem na sua vida uma criança nas mesma condições. Adorei como o protagonista vai se descobrindo junto com o filho, acho que adorei tudo. Vou ler.

    ResponderExcluir
  12. Eu tenho visto bastante comentário sobre esse livro e a quase totalidade considera um livro e tanto. Deu pra sentir que é um livro que trata de um tema com certa sensibilidade, o que é interessante e importante devido a ele ser bem forte. É um livro que já espero rolarem lágrimas.

    ResponderExcluir
  13. Nossa! Quando vi esse livro pela primeira vez, pensei na hora que era sobre minecraft, mas o que eu não imaginei, era que tinha uma história com um tema tão bacana e emocionante, já quero ler.
    Vou também pegar a dica do filme.

    ResponderExcluir
  14. Oi!
    Já tinha visto esse livro antes, mas não sabia dessa historia por trás da sua publicação, achei muito interessante o livro falar sobre o autismo mas principalmente dessa relação com a família, parece ser uma historia muito linda e gostei como temos um pai que tenta e como o jogo acaba os unindo !!

    ResponderExcluir

Obrigada por fazer quatro blogueiras felizes, seu comentário e sua opinião são muito importante pra nós! Todas as visitas e comentários serão retribuídos.

(Comentários contendo ofensas e palavras de baixo calão não serão aceitos).

Seguidores

No Instagram @bloglohs

Vem pro Facebook