As Sete Irmãs: a História de Maia - As Sete Irmãs #1


Autora: Lucinda Riley
Título original: The Seven Sisters
Tradução: Viviane Diniz
Série: As Sete Irmãs
Editora: Arqueiro 
Páginas: 480
Onde encontrar: AmazonBr | Saraiva | Submarino 

| Livro cedido em parceria com a Editora Arqueiro
Sinopse: Em As sete irmãs, Lucinda Riley inicia uma saga familiar de fôlego, que levará os leitores a diversos recantos e épocas e a viver amores impossíveis, sonhos grandiosos e surpresas emocionantes.
Filha mais velha do enigmático Pa Salt, Maia D’Aplièse sempre levou uma vida calma e confortável na isolada casa da família às margens do lago Léman, na Suíça. Ao receber a notícia de que seu pai – que adotou Maia e suas cinco irmãs em recantos distantes do mundo – morreu, ela vê seu universo de segurança desaparecer.
Antes de partir, no entanto, Pa Salt deixou para as seis filhas dicas sobre o passado de cada uma. Abalada pela morte do pai e pelo reaparecimento súbito de um antigo namorado, Maia decide seguir as pistas de sua verdadeira origem – uma carta, coordenadas geográficas e um ladrilho de pedra-sabão –, que a fazem viajar para o Rio de Janeiro.
Lá ela se envolve com a atmosfera sensual da cidade e descobre que sua vida está ligada a uma comovente e trágica história de amor que teve como cenário a Paris da belle époque e a construção do Cristo Redentor.
Preciso confessar algo. Eu só decidi que leria esse livro porque uma das personagens se chama Izabela. Isso mesmo, com 'z' e um 'l' só. "Meodeos, ela tem meu nome, eu preciso lê-lo." Isso basicamente fez com que eu comprasse um livro e autografasse os dois volumes quando Lucinda Riley veio ao Brasil. Exatamente, leitoras! Nós temos um exemplar lindo e autografado esperando para chegar na casa de uma de vocês! Aguardem sorteios de Natal ;)

Bom, vamos a nossa resenha, ok?

"Todos estamos deitados na sarjeta, só que alguns estão olhando para as estrelas."
Oscar Wilde

Eu não sabia o que esperar do livro, sinceramente. Por isso digo com um prazer enorme que a narrativa que encontrei foi sensacional! Lucinda reuniu passado e presente, ficção e fatos históricos com total maestria e assertividade. A série possui sete livros, dos quais três já estão publicados no Brasil e nos EUA. O quarto livro, The Pearl Sister, sairá em 2017, juntamente com a promessa de uma série de TV! Confira essa e outras informações em nossa entrevista linda, realizada durante a Bienal de São Paulo! As histórias são inspiradas na constelação d'As Sete Irmãs de Plêiade e a sequência dos livros segue da mais velha até a mais nova.
 
No primeiro capítulo, descobrimos que Pa Salt, o suíço louco que adotou seis garotas de todos os cantos do mundo e as transformou em uma família, morreu e deixou para trás um reino, Atlantis. Temos um vislumbre de todas reunidas, esperando pela leitura do testamente e dos últimos desejos de seu pai.
Enquanto esperamos as irmãs chegarem, passamos a conhecer um pouco mais a respeito delas. “Maia, a bonita; Ally, a líder; Estrela, a apaziguadora; Ceci, a pragmática; Tiggy, a maternal; e Electra, a bomba-relógio”, p. 30 A interação entre elas é cativante e eu fiquei muito curiosa para saber o que os outros livros nos reservam, principalmente a respeito de Ally, a Irmã da Tempestade. 
“Acho que, de todas nós, era ela quem se sentia mais à vontade consigo mesma. Ally nunca sucumbia a pensamentos negativos. Ela via qualquer contratempo como uma lição positiva da vida e então seguia em frente determinada.” Maia, p. 75

Garanto que Maia é muito mais do que um rostinho bonito! Ela é complexa, profunda e foi machucada. Devo dizer que fiquei tentada a me enxergar nela (apenas por conta do Izabela, Iza? Sim. Quando você já achou o nome de uma personagem que batesse certinho com o seu? Ainda mais em um livro estrangeiro?!) Maia é a filha mais velha e ficou em Atlantis cuidando de Pa Salt enquanto as outras saíram pelo mundo. Nossa protagonista sempre buscou a aprovação do pai e sentia que ficando com ele, escondida em Alantis enquanto trabalhava em suas traduções, era a melhor forma.
“Se ao menos eu pudesse aprender a sentir novamente em vez de permanecer um simples robô que por fora parece um ser humano normal e tranquilo... O fato de eu aparentemente não conseguir reagir à morte de Pa com a devida emoção era a maior evidência da gravidade do meu problema.”, p. 28


Algo parecido com isso!
Estando todas finalmente reunidas, descobrimos que além de cartas para todas as filhas, Pa Salt também deixou uma esfera armilar. Em seus aros estão os nomes de todas (até mesmo de Mérope, a irmã que nunca foi encontrada), juntamente com uma frase em grego e coordenadas que levarão cada uma a suas origens!
Maia está com medo e sua decisão de investigar de cabeça seu passado é tomada por conta da presença de um ex-namorado que aparentemente destruiu Maia. Ficamos curiosas? Sim! Mas o que encontramos no Rio de Janeiro (nosso incrível Brasil faz parte dessa narração, durante a construção da estátua do Cristo Redentor) é uma história muito envolvente: o passado de Maia a leva até Izabela Rosa Bonifácio, uma jovem de 18 anos vivendo em 1927.

Antes de entrar em mais detalhes a respeito de Izabela, deixe-me apontar a linda figura de Floriano Quintelas, o autor que Maia traduz do português para o francês e que se transforma em um amigo quando nossa protagonista chega ao Rio. Ele é historiador, poeta, escritor e guia turístico, então: tudo que uma sueca precisa ao tentar descobrir suas origens!
“- Ela é uma senhora doente. Você acha certo perturbá-la?
-Não, Maia, mas, da mesma forma, você acha certo ela se recusar a divulgar possíveis detalhes de sua verdadeira origem? Aquela mulher atrás da porta pode muito bem ser sua avó. A filha dela pode ser sua mãe. Você realmente se importa por estarmos perturbando sua rotina por alguns minutos?” Maia e Floriano, p. 109

Agora, podemos falar da história de Izabela, por favor? Obrigada! Gostaria de aproveitar essa oportunidade e fangirlizar: quando Lucinda autografou meu livro, ela ficou surpresa e feliz com meu nome! Eu disse que também achei incrível e que estava completamente ansiosa para descobrir mais sobre a personagem. Ela disse que esse era o nome da filha dela (Isabella Rose, a quem o livro é dedicado), e que a chamava de Bel. Eu disse que aqui meu apelido é Iza (afinal, Bel é para Isabel) e ela respondeu, "Você é minha Bel, ok?" E eu fiquei "deos, me leva" e sai de lá com um autografo, uma dedicatória e um sorriso no rosto!



“Nunca deixe o medo decidir seu destino.”

Olha essa fonte maravilhinda!

Izabela é uma jovem com sonhos. Ela é decidida, porém reprimida pelas condições sociais de sua família. Seu pai, um cafeicultor paulista extremamente bem sucedido, deseja, mais do que tudo, fazer parte da aristocracia carioca. Para realizar tal sonho, o dinheiro apenas não basta, ele usará uma das mulheres mais bonitas do Brasil, sua filha para ascender socialmente.
“- Mas eu só tenho 18 anos! Não sou jovem demais para me casar? Bertha Lutz diz que temos que lutar por nossa independência, ganhar nosso próprio sustento, para que nenhuma de nós precise se vender ao maior lance feito por um homem. E as mulheres a apoiam em suas reivindicações por igualdade!” Izabela, p. 136
Apesar de toda a paixão que Bel guarda em seu coração, ela sabe que não pode desapontar as expectativas de sua família. Devo ressaltar que as menções aos momentos históricos aqui são surpreendentes. Riley descreveu a ascensão e início de queda do café, principal produto de exportação até então, mencionou os momentos tensos que a Alemanha enfrentou com o surgimento de Hitler, e descreveu a boemia da Paris.

Gustavo Aires Cabral é um dos melhores partidos para seu pai e ficou completamente encantado pela beleza de Izabela. Ela, no entanto, considera-o um fuinha e deseja mais do que tudo ir para bem longe. E não é que ela consegue? Junto à família de Maria Elisa (seu pai é o arquiteto responsável pela construção do Cristo), ela parte para o Velho Mundo, para a Europa. E conhece um homem: Laurent Brouilly. Ele é um aprendiz Ludowski, o responsável pela escultura gigantesca da estátua de Cristo. E também... muito interessante. Ele é a novidade para Izabela e acabará ganhando um espaço em seu coração.
"- Você toma vinho só com pão e queijo?
- Mademoiselle, somos franceses. Tomamos vinho com qualquer coisa, a qualquer hora." Bel e Laurent, p. 172
O livro é dividido em partes, a narração de Maia é em primeira pessoa, enquanto a narração de Izabela é em terceira. Essa é uma boa diferenciação e corresponde bem com o que Riley quis passar para nós: a história é de Maia, porém ela precisa conhecer seu passado, que é contado por meio de cartas ou pessoas que sabem detalhes da vida de Izabela.

Confesso que gostei mais da história de Maia, porque a de Bel machucou meu coração. E a de Maia me deu esperanças de que, quando falamos de amor, ele pode ser mais do que apenas aquela pessoa pela qual você está apaixonada. Eu fiquei extremamente curiosa com o final de Riley para esse volume e adorei perceber como passado e presente estão absurdamente próximos. As pistas de quem foi Pa Salt são cada vez mais intrigantes.

Livro super recomendado e série também, porque - obviamente - Lucinda Riley tem muitas surpresas reservadas para nós; tudo isso com aquele toque de romance que você respeita!




 

16 comentários :

  1. Então o livro possui duas protagonistas, Maia e Izabela, e ao longo da história conhecemos o porque das duas estarem ligadas. Tenho acompanhado algumas resenhas desse livro e sempre vou vendo detalhes interessantes e que tem me deixado curiosa, das resenhas que li até hoje todas são positivas e isso é um ponto a mais pra que eu inclua esse livro nos que quero ler e espero ter a oportunidade de conhecer a escrita da autora através dessa série logo logo :)

    P.S: Encontrar um personagem que tem o seu nome é mesmo muito legal ;)

    ResponderExcluir
  2. Oii Iza! Eu sempre vejo esses livros nas livrarias e até tenho uns marcadores,mas essa é a primeira resenha que leio dele,pasme,mas eu achava que eram livros de bruxas (?) kkkk caramba amei,mas uma pergunta,é meio que um romance de época?
    ai eu nunca li um livro que a personagem tivesse o mesmo nome que o meu #triste

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vic! Não é romance de época. Temos a narração de um romance em 1927 e 2007. O livro tem essa mistura, não se passa completamente no passado!
      Beijos, Iza

      Excluir
  3. Não li nada da autora, mas essa série quero ler, parece ser muito boa, que legal que vai ter série de TV. Fiquei curiosa porque o personagem só adotou garotas e intrigada com o passado de cada uma, fiquei me perguntando se tem alguma ligação todas elas.

    ResponderExcluir
  4. Não acredito, fiquei mesmo com vontade de ler um romance, o que está acontecendo comigo??.
    Mas falando sério, adorei a temática, já falei que amo histórias com protagonistas femininas fortes? Kkk
    Outra coisa na sua resenha que me interessou foi o jeito como escolheu o livro (adorei seu nome), faz tanto tempo que não pego uma surpresa, já sei a história é as opiniões de todos o que tenho lido, queria pegar um com capa bonita e ser surpreendida.

    ResponderExcluir
  5. Oi Iza,
    Já li dois livros da autora e gostei bastante.
    E o que mais gosto dos livros dela é justamente essa mistura entre passado e presente e como as estórias se entrelaçam. Sério, fico fascinado. São poucos autores que tem essa habilidade.
    Tenho o primeiro livro da série, mas acho que vou esperar todos serem lançados antes de começar. Não gosto de ficar com muitas séries pendentes pq tendo a esquecer partes da estória.
    E não sabia dos rumores que os livros seriam adaptados.
    Abraço,
    Alê
    www.alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oii Iza!!
    Adorei a resenha, qria tanto ler, estava ansiosa pra conhecer um pouco mais sobre o livro, não tenho dúvidas q não posso deixar d conferir!
    Bjs!!

    ResponderExcluir
  7. Primeira resenha que leio sobre o livro e confesso que me deixou super curiosa.
    Parece ser uma história e tanto. Já vou colocar na minha listinha de desejados.
    Apesar de ter dois livros dela aqui, não li nenhuma obra dela ainda e não conheço a escrita da mesma.
    Mas o que ando vendo está me deixando bem interessada.
    Que bacana que você conheceu a Lucinda, um sonho né?
    Espero conferir essa obra em breve.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  8. Eu já li um livro desse escritora e posso dizer que são maravilhosos, o que li foi a casa das Orquídeas ainda lançado pela Novo Conceito. Eu ainda não tinha lido nada em relação a esses novos livroa publicados pela arqueiro mas devo dizer que estou muito interessado em conhecer mais dessa história. Obrigada pela resenha.

    ResponderExcluir
  9. Ah Lucinda :) Acho que se eu tivesse um autografo dessa mulher eu enquadrava de tão fã que eu sou. Amo a escrita dela, eu já li ate mesmo um romance dela em inglês pq não quis esperar pela tradução, e a historia da Izabela e uma das minhas favoritas! E sobre virar um seriado, já sabia e contando os segundos para ser lancada :)

    ResponderExcluir
  10. Oi, Izabela!
    A Carol me falou que você ficou doida quando viu que tinha a personagem com o seu nome, hahaha.
    Estou na mesma que você. A Tess, de O Primeiro Dia do Resto da Nossa Vida, tem o apelido de Teca, como eu <3
    Então, assim como você, eu não sabia bem o que esperar do livro e me surpreendi. Amei a história, amei como a Lucinda amarrou passado e presente num enredo lindo e super bem amarradinho.
    O Floriano também conquistou meu coração.
    A Bel foi meu xodó no livro. Acabei gostando mais dela do que da Maia, mas a a da Maia eu gostei muito também. Só achei muito triste tudo pelo que a Bel passou.
    :(
    Estou curiosíssima pelos próximos livros!
    E fiquei muito feliz de saber da série de TV!

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  11. Oi Izabela,
    Primeiro devo comentar a respeito desse seu momento com essa autora que tanto amo, imagino a sua felicidade no momento do autógrafo, que momento mais especial!
    Sou fã da Lucinda Riley, amo romance histórico e sou apaixonada pelos livros da autora. Já li esse livro e mais uma vez me vi completa e absolutamente envolvida com a história, adoro livros que mesclam narrativas do passado e presente, e gosto especialmente dos fatos históricos; e essa parte a autora escreveu com maestria, adorei os momentos históricos da construção da estátua do Cristo Redentor e do café. Eu preferi a parte da Bel, mesmo que tenha sofrido demais com o desfecho da história dela, fiquei só na lamentação por ter acabado daquele jeito.
    Comprei A Irmã da Tempestade agora na BF e quando o livro chegar vai furar a fila, pois estou ansiosa para conhecer a história da Ally.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Nossa, Iza!
    Fiquei bem fangirl da Lucinda depois de toda essa história. Recentemente li A Casa das Orquídeas dela e já quero TODOS os livros dessa mulher, ela é sensacional. Só pela sua resenha eu já vi alguns pontos em comum nos dois livros, e sei que vou gostar bastante. Se ela fez um ótimo trabalho com os acontecimentos históricos, mais um motivo pra querer ler, ainda mais sendo os acontecimentos do nosso país servindo como pano de fundo para uma história assim.

    ResponderExcluir
  13. Oi Izabela, tudo bem?
    Quero dizer que no final da sua resenha com essa fras 'quando falamos de amor, ele pode ser mais do que apenas aquela pessoa pela qual você está apaixonada' você me fez parar (olhando pro nada) e pensar muito :x
    Eu não conhecia a autora e seus livros, e estou surpresa com o quanto me interessei em ler.
    Achei legal essa mistura de presente e passado, acho que prende ainda mais o leitor, faz ele querer saber ainda mais da protagonista nesse caso.
    Outra coisa interessante é isso de cada uma ir atrás da sua 'origem' e em cada livro ser uma protagonista diferente, acho incrível essa ideia, e estou bem curiosa para saber mais sobre a Izabela, e a Maia.
    Parabéns pela resenha, e eu imagino sua felicidade ao falar com a autora, que amooor <3
    Beijos!
    Lost Words

    ResponderExcluir
  14. Izaaaaaaaaaaaaa!
    Esse livro tem seu nome? Morri!
    E você ao lado da Lucinda? Ficou lindíssima! Arrasou!

    Adorei a resenha! Parabéns!

    Beijos,
    Danny
    Irmãos Livreiros

    ResponderExcluir
  15. O nome da autora me é familiar, mas não lembro se é só coisa da minha cabeça, o fato é: assim como vc não sabia o que esperar da resenha.
    Li a sinopse do livro mas já fui logo sendo estereotipada e pensando "otimo, uma mistura de países num livro gringo, e ainda vai falar do rio."
    então percebi que o livro não se tratava de varias garotas de varios locais, mas sim de crescimento interno das personagens e como plano de fundo esses varios lugares e anos!
    Gostei mesmo, e tó louca pra saber como a serie vai ficar! *-*

    Beijinhos Iza, e parabéns por achar uma xará na leitura rsrs

    ResponderExcluir

Obrigada por fazer quatro blogueiras felizes, seu comentário e sua opinião são muito importante pra nós! Todas as visitas e comentários serão retribuídos.

(Comentários contendo ofensas e palavras de baixo calão não serão aceitos).

Seguidores

No Instagram @bloglohs

Vem pro Facebook