O Ano em que Disse Sim

Autora: Shonda Rhimes
Título original: Year of Yes
Tradução: Mariana Kohnert
Editora: BestSeller
Páginas: 256
Onde encontrar: AmazonBr | Saraiva | Submarino

| Livro cedido em parceria com o Grupo Editorial Record

Sinopse: Você nunca diz sim para nada. Foram essas seis palavras, ditas pela irmã de Shonda durante uma ceia de Ação de Graças, que levaram a autora a repensar a maneira como estava levando sua vida. Apesar da timidez e introversão, Shonda decidiu encarar o desafio de passar um ano dizendo sim para as oportunidades que surgiam. Os sins iam desde cuidar melhor de sua saúde até aceitar convites para participar de talk shows e discursos em público. Além disso, Shonda deu um difícil passo: dizer sim ao amor próprio e ao seu empoderamento. Em O Ano em que disse sim, Shonda Rhimes relata, com muito bom humor, os detalhes sobre sua vida pessoal, profissional e como mergulhar de cabeça no Ano do Sim transformou ambas e oferece ao leitor a motivação necessária para fazer o mesmo em sua vida.
A Record garantiu a publicação dessa maravilhosidade no Encontro de Parceiros e desde então espero por esse lançamento. Assim que ele chegou, passei-o na frente de vários livros e me sentei confortavelmente para estar perto da escrita envolvente da Shonda, agora de uma forma diferente.



Para quem não sabe quem é essa mulher (por favor, faça um favor a si mesmo e vá assistir Grey’s Anatomy), aqui vai uma pequena apresentação. Ela é dona da quinta-feira na TV americana, é produtora executiva e escritora das séries Grey’s Anatomy, Scandal e How to get away with murderer. (São todos maravilhosos, sugiro que assistam todos, se puderem). Ela ganhou diversos prêmios (desde 2005) e é doutora honorária por duas universidades. Basicamente, Shonda Rhimes é maravilhosa. E agora ela lançou um livro. O que você está esperando para lê-lo? 
“Cada ‘sim’ muda algo em mim. Cada ‘sim’ é um pouco mais transformador. Cada ‘sim’ inicia uma nova fase de evolução.”, p. 130

Super elogiado pela crítica (como já era esperado), O Ano em que disse Sim não é ficção, por mais que o trabalho de Shonda seja inventar histórias. Esse livro é um relato de experiência. É um guia para ajudar você, leitor, de toda e qualquer forma possível. Porque essa é a magia da Shonda: não importa quem você seja, por qual situação esteja passando: ela terá palavras para oferecer a você. Com uma narrativa ágil, envolvente e descontraída, Rhimes nos leva para uma das melhores leituras que eu fiz em 2016! 

O que faz desse um livro tão incrível? Basicamente é a jornada de uma mulher que luta desesperadamente para sair do fundo do poço que ela mesma cavou. Em 28 de novembro de 2013, sua irmã, Delrose, salvou sua vida. Veja bem, Shonda não poderia se queixar - não como a vida estava: três séries, muito dinheiro, reconhecimento e inventando histórias. 
“E, para mim, não há trabalho melhor na face da terra do que o meu. A adrenalina, a empolgação, o... chamo de zum. Tem um zum que acontece em minha mente quando chego a tal ritmo de escrita, é como quebrar a barreira do som. Quando montar os trilhos deixa de parecer que estou escalando uma montanha com as mãos e os joelhos e passa a parecer um voo sem esforço no ar, tudo dentro de mim simplesmente muda. Eu quebro a barreira da escrita. E a sensação de montar trilhos muda, se transforma, passa de esforço a exultação.”, p. 13
Caso esteja interessada em ver um pouco mais o que inspirou o Ano do Sim, Shonda deu uma palestra no TED em fevereiro desse ano. Ela fala a respeito de suas motivações e de como ela percebeu que estava desperdiçando sua vida. Dizer sim foi o que a salvou. Cada sim que ela teve coragem de dizer mostrou a ela um melhor modo de viver a vida. 

Um tempero extra que nós, fãs das séries de Shonda, encontramos nos livros são as menções aos nossos mundos prediletos. Um ponto que me marcou especialmente foi a conexão de Shonda com Christina Yang. Christina sempre foi essa força da natureza, amante da cirurgia, focada na carreira e nada mais, ou seja, um modelo de mulher que não queria filhos, ou um amor épico ou nada parecido. Yang é decidida, determinada, incrivelmente inteligente e talentosa. Ela correu atrás de tudo o que queria, nunca levou desaforo para casa, era completamente segura de si mesma. Um completo oposto de Shonda alguns anos atrás. Principalmente antes do Ano do Sim.



Depois que Shonda percebe que uma mudança boa está acontecendo com ela, ela ganha mais confiança. E começa a descobrir quem ela realmente é. 

“Sou o que passei a chamar de P.U.D. – Primeira. Única. Diferente. Somos um clube muito seleto, mas já mais de nós por ai do que você imagina. Nós nos reconhecemos imediatamente. Todas temos o mesmo olhar exausto. Aquele olhar que quem deseja que as pessoas parem de achar incrível que possamos ser ótimas no que fazemos mesmo sendo negras, asiáticas, mulheres, latinas, homossexuais, paraplégicas, surdas. Mas, quando se é um P.U.D., você está atado àquele fardo de responsabilidade a mais – queira você ou não.”, p. 124

Ela é durona. Ela é corajosa. Ela é forte. Ela é quem sabe o que é melhor para sua própria vida. Ela é seu próprio sol. E para quem acompanha Grey's Anatomy, sabem o quanto isso significa. Shonda descobriu em si mesma a força para fazer as coisas que a desafiavam, que a aterrorizavam. Então, ela saiu de sua zona de conforto e passou a se conhecer melhor. Isso é tudo o que podemos desejar para nós mesmas, não? Encontrar aquilo que nos faz feliz, ganhar dinheiro com isso, enquanto tornamos o mundo um lugar melhor do que como o encontramos. Certo?
“Caro leitor, que você jamais seja sortudo.
Não sou sortuda.
Sabe o que eu sou?
Sou inteligente, sou talentosa, tiro proveito das oportunidades que aparecem em meu caminho e trabalho muito, muito arduamente.
Não me chame de sortuda.
Você pode me chamar de durona.”, p. 155

E é isso. O livro como um todo me deu uma sensação muito gostosa no peito. Sabe quanto percebemos que outra pessoa, há quilómetros de distância pode sentir e expressar o mesmo que você sente? Ou então aquela companhia carinhosa, que lhe oferece palavras de conforto, de incentivo, de perdão, de amor. Enfim, palavras, sentimentos. Amor. É sobre isso que Shonda escreve e, convenhamos, o faz muito bem!

“O medo de estar sozinha, o desejo de não estar sozinha, as tentativas que fazemos de encontrar nossa pessoa, de manter nossa pessoa, de convencer nossa pessoa a não nos deixar sozinhas, sobre a felicidade de estar com nossa pessoa e, portanto, não mais sozinha, a devastação de ser deixada sozinha.
A necessidade de ouvi as palavras: Você não está sozinha.
A necessidade humana fundamental de que um ser humano ouça outro ser humano dizer a ele: você não está sozinho. Você é visto. Estou com você. Você não está sozinho.”, p. 196
O Ano em que disse sim é uma excelente leitura. Sabe aquele livro perfeito pra dar de aniversário? É este. Todo mundo vai gostar e para fechar, ficarão com vontade de assistir às séries! Ah... e de dançar!

“Então danço para esquecer os problemas. Danço em minha montanha, sob meu sol, como se minha vida dependesse disso. Porque depende.”, p. 246








Seção das quotes

“Meu destino montou no dorso da minha imaginação.”, p. 10

“Isso tudo é agravado pelo fato de eu ser competitiva. Não competitiva como pessoas normais. Não a competitiva amigável. Competitiva no estilo assustadora e psicótica.”, p. 44

“Quando eu me encontrar com você, vamos dar as mãos e chorar pela humanidade, combinado?”, p. 49

“Christina aprendeu o que precisava aprender A caixa de ferramentas dela está cheia. Ela conseguiu não abrir mão dos pedaços de si mesma, os pedaços dos quais precisa para ser o que outra pessoa quer. Aprendeu a não abrir mão. Aprendeu a não se acomodar. Aprendeu, por mais difícil que seja, a ser o próprio sol.”, p. 63

“O perfeito é chato, e sonhos não são reais. Apenas... façam. Você pensa: ‘Eu queria poder viajar’ – venda a porcaria do carro e compre uma passagem e vá para Bancoque agora mesmo. Estou falando sério. Você diz: ‘Quero ser escritor.” – adivinhe só? Um escrito é alguém que escreve todo dia. Comece a escrever. Ou: Não tem emprego? Consiga um. Qualquer emprego. Não fiquem sentado em casa esperando pela oportunidade mágica dos sonhos. Quem são vocês? O Príncipe William? Não. Arrumem um emprego. Trabalhem. Façam isso até que possam fazer outra coisa.”, p. 81

“Como disse Pope para a filha Olivia: ‘Você deve ser duas vezes melhor que eles para conseguir metade do que eles têm...” Eu não queria metade. Eu queria tudo. Então trabalhei quatro vezes mais.”, p. 124

“Que tipo de doente se treina para gostar de salada?! Eu também podia me treinar para gostar de cascalho. Ou bosta de vaca. Mas por quê? Eu não me odeio.”, p. 127

“Comida é mágica. Faz com que você se sinta melhor. Ela entorpece você. [...]. Comida funciona.
Esse é o obstáculo.
Esse é o problema. 
Ela funciona.”, p. 132

“Não tinha amigos.
Ninguém é mais malvado do que um bando de seres humanos diante de algo diferente.
Eu estava sozinha. 
Então...
Escrevia.”, p. 195

“Como um vampiro tentando salvar um dos seus, você quer arrastar a pessoa de volta para a escuridão. E você realmente acha que está fazendo o certo. Eu estava me agarrando à tristeza sombria e complicada. Era o que eu conhecia. E precisava dela. Precisava da mesma forma que precisava da gordura. Era mais fácil o que tentar. Ser sombria e complicada me deu permissão para não querer mais nada do que o status quo miserável. Para jamais esperar, para jamais ser otimista. Sombrio e complicado ocupa o tempo e o espaço em minha cabeça. É como um passe para sair da sala de aula: não preciso fazer nada sobre meus problemas se estiver ocupada reclamando e sentindo pena de mim mesma.”, p. 203

“Percebo que estou em lágrimas na primeira vez que vejo. Essas irmãs sombrias e complicadas chegaram tão longe quanto eu. Elas também não são mais sombrias e complicadas. A dança é alegre. A dança é triunfante. A dança é uma comemoração do que você pode se tornar.É tudo que eu queria que fosse. Elas estão voando.”, p. 214-215

Discursos


O discurso que ela faz ao aceitar ser da lista das 100 mulheres mais poderosas do mundo

“Vocês não absorver o aprendizado.
Você vão respirar o ar rarefeito.
Vocês vão se sentir vivos.
Vocês serão vocês mesmos.
Serão realmente, finalmente, sempre vocês mesmos.”, p. 89

Este foi o primeiro 'sim' que ela deu, o discurso de abertura dos formandos de 2014 de Dartmouth

24 comentários :

  1. Olá, Izabela.
    Provavelmente eu sou a única pessoa do mundo que nunca assistiu a nenhuma série da Shonda, mas indicações não faltam. Está na minha lista Scandal. Acho que le rei esse livro antes de iniciar a série.
    Abraços.

    Minhas Impressões

    ResponderExcluir
  2. Ainda não assisti nenhuma das séries dela, Gray's Anatomy só assisti o primeiro episódio e parei, mas pretendo assistir tudo, é que tem muita série pra mim colocar em dia rs. O livro parece levantar a alto estima do leitor, levá-lo a refletir sobre sua vida, deve ser muito bom.

    ResponderExcluir
  3. Shonda quebrou meu coração quando matou Derek, meu médico dos sonhos. O livro parece ser legal. Mas não despertou algo a mais. Acho que estou de mal com a Shonda ainda

    ResponderExcluir
  4. eu comecei a ler a resenha e fiquei engraçado eu conheço esse nome ai alguns seg ... Shonda Rhimes não é do Scandals, Greys e HTGM ?
    ai vc diz: se vc não conhece... eu não sabia da palestra no ted nem desse livro, achei interessante essa avaliação da vida dela
    e s´´o para fazer treta: eu prefiro scandal, tá?

    ResponderExcluir
  5. Oi Izabela!
    Quanta paixão você depositou nessa resenha, hein. Dá pra ver o quanto essa leitura foi importante pra você. Sendo assim fiquei extremamente curiosa com esse livro.
    Já assisti a série Grey's Anatomy faz um bom tempo e era muito viciada, mas não me liguei no nome da autora. Você descreveu Shonda Rhimes como uma mulher tão incrível que fiquei querendo saber um pouco mais sobre ela e com certeza vou seguir o seu conselho e assistir as outras séries dela.
    Esse livro parece ser bem reflexivo e nos dá um jeitinho diferente de ver as coisas. Já adicionei a lista.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Ai que livro lindo gte!
    Se eu conta q nunca assiste essas séries vc acredita?!
    Vergonha né, pois eh! rsrs
    Quem sabe qqr dia acompanho pra v se curto!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Oi Izabela.
    Eu adoro Grey's Anatomy e How to get away with murderer, são ótimas séries.
    Fiquei bem interessada em ler esse livro da Shonda. Ele parece ser ótimo livro motivacional, nos levando a repensar algumas coisas na nossa vida. Adorei o quote em que ela diz que não é uma pessoa sortuda e sim durona.

    ResponderExcluir
  8. Saudações, Izabela, a Empolgada Entre as Fundadoras (com uma resenha dessas e seus comentários lá no CdM, nem preciso explicar o título, né?).

    A minha irmã é apaixonada por Grey's Anatomy, mas não irá perdoar a morte do personagem do Patrick Dempsey XD Mas bom saber que o livro é bem bacana e recomendado, especialmente pros amantes das séries da poderosa Shonda.

    Ps. Escuta o último episódio do podcast do Multiverso X que acho que vai ajudar a tirar algumas dúvidas sobre os romances da série Marvel (e tem link pra todas as resenhas já feitas).

    Até o próximo contato, cambio e desligo!
    Ace Barros
    Capitão do drakkar Interlúdio, navegando pelo Multiverso X
    multiversox.com.br

    ResponderExcluir
  9. Eu estou doida pra ler esse livro. Eu amooo Grey’s Anatomy, Scandal e How to get away with murder. Então acho quase impossível eu não gostar do livro. Ainda mais sabendo que el também fala um pouco das séries dela. Amei todas as citações, e concordo que esse é um ótimo presente de aniversário (eu amaria ganhar esse livro hahaha).

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Olá,
    Eu já tinha visto esse livro e fiquei bastante curiosa por ser um livro da MA-RA-VI-LHO-SA Shonda Rhimes. Essa é a primeira resenha que eu vi sobre o livro dela e fiquei bastante curiosa. Eu também digo não a diversas coisas e queria aprender com a Shonda a dizer sim e, quem sabe, me tornar essa mulher maravilhosa que ela é.
    Beijos,

    ResponderExcluir
  11. PRECISO ler esse livro!
    Amo a Shonda, apesar de ela despedaçar meu coração constantemente e todo mundo sair morrendo. ¬¬
    Só não assisto ainda How To Get Away With Murder, mas pretendo começar em breve.
    Nem li o livro e já estou apaixonada.
    Quero conhecer mais a fundo a autora e ver o que a motiva.
    Me lembrou muito o enredo de Sim, Senhor, aquele filme do Jim Carey, só que lá é mais bizarro o que ele diz sim, hahaha.
    Já estou anotado aqui!

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  12. Infelizmente por motivos maiores -to sem netflix- não assisti nenhuma das séries da Shonda. Mas adorei conhecer um pouco da vida dela.
    Ela é uma mulher inspiradora, um exemplo que é possível se fazer algo que ama e ao mesmo tempo lucrar com isso. Além de que esse livro pode ajudar muitas pessoas com palavras de incentivo e carinho que um livro pode dar e que muitas vezes não ouvimos.
    Beijos Izabela!

    ResponderExcluir
  13. Oiee!
    Shondanás escrevendo livro sem matar ninguém???? :O
    A única série dela que assisto é Greys, não tenho coragem de assistir mais nenhuma, ela já estraçalha meu coração demais :(
    Rsrs brincadeira à parte, não sabia que a Shonda também escrevia livro, meu Deus o dia dessa mulher deve ter 300 horas. Gostei do livro, mas não sei se o leria agora, acho que não é o meu momento, porém não descarto a leitura para o futuro.
    Bjokas!

    "O carrossel nunca para de girar".

    ResponderExcluir
  14. Louca pra ler o livroa Shonda, adoro suas séries

    ResponderExcluir
  15. Adoro Grey's Anatomy, e não sabia desse livro até ler a resenha. Não é o tipo de livro que eu gosto, mas devo dar uma oportunidade.
    Gislaine | Paraíso da Leitura

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bem?

    Eu comecei a assistir Grey's Anatomy, mas ainda não terminei nem a primeira temporada haha. Sem saber desse livro dela, eu assisti à palestra dela no TED e simplesmente me apaixonei, porque me devolveu alguns pedaços de mim mesma. Tenho certeza de que esse livro é para mim <3 Esses quotes, meodeos, quero tudo. Quero fazer um mantra deles nos meus piores dias/momentos :)

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  17. Acho que cometi um crime porque eu não fazia a mínima ideia de quem era essa mulher maravilhosa :| Mas em minha defesa desconheço porque não assisti nenhuma das séries que ela escreve. Eu confesso que fiquei curiosa em relação ao livro dessa mulher mas antes eu ainda darei uma noa pesquisada para decidir se irei ler ou não, mas obrigada pela resenha.

    ResponderExcluir
  18. Oi Iza,
    Fiquei com muita vontade de ler esse livro, Sua sinopse está Demais

    ResponderExcluir
  19. Oi! As séries q essa mulher escreve (e ela mesma) são sensacionais, mas eu não sabia que ela tinha passado por tantos problemas nem que escrevia um livro sobre isso. O titulo me remeteu imediatamente ao filme Sim, Senhor...E já me deu vontade de ler...Saber que era da Shonda, então... <3

    ResponderExcluir
  20. Curiosíssima para ler esse livro

    ResponderExcluir
  21. Essa autora é estupenda! A resenha me deixou com muita vontade mesmo de ler esse livro, com certeza vai para minha lista <3

    ResponderExcluir
  22. Até o título é emociante, que capa mais linda... Desde o lançamento sempre tive vontade de ler, e a vontade tá a mil depois dessa resenha hahahha Espero ler logo.

    ResponderExcluir
  23. Oi!
    Ainda não conhecia a Shonda, mas já assistir a uma serie dela e outra está na minha lista de leitura e lendo a resenha adorei esse livros dela principalmente pelos temas que ela trata, quero muito ler esse livro !!

    ResponderExcluir

Obrigada por fazer três blogueiras felizes, seu comentário e sua opinião são muito importante pra nós! Todas as visitas e comentários serão retribuídos.

(Comentários contendo ofensas e palavras de baixo calão não serão aceitos).

Seguidores

No Instagram @bloglohs

Vem pro Facebook