A Irmandade Perdida

Autora: Anne Fortier
Título original: Lost Sisterhood
Tradução: Fernanda Abreu
Editora: Arqueiro
Páginas: 528

| Livro cedido em parceria com a Editora Arqueiro

Sinopse: Diana Morgan é professora da renomada Universidade de Oxford. Especialista em mitologia grega, tem verdadeira obsessão pelo assunto desde a infância, quando sua excêntrica avó alegou ser uma amazona – e desapareceu sem deixar vestígios.
No mundo acadêmico, a fixação de Diana pelas amazonas é motivo de piada, porém ela acaba recebendo uma oferta irrecusável de uma misteriosa instituição. Financiada pela Fundação Skolsky, a pesquisadora viaja para o norte da África, onde conhece Nick Barrán, um homem enigmático que a guia até um templo recém-encontrado, encoberto há 3 mil anos pela areia do deserto.
Com a ajuda de um caderno deixado pela avó, Diana começa a decifrar as estranhas inscrições registradas no templo e logo encontra o nome de Mirina, a primeira rainha amazona. Na Idade do Bronze, ela atravessou o Mediterrâneo em uma tentativa heroica de libertar suas irmãs, sequestradas por piratas gregos.
Seguindo os rastros dessas guerreiras, Diana e Nick se lançam em uma jornada em busca da verdade por trás do mito – algo capaz de mudar suas vidas, mas também de despertar a ganância de colecionadores de arte dispostos a tudo para pôr as mãos no lendário Tesouro das Amazonas.
Entrelaçando passado e presente e percorrendo Inglaterra, Argélia, Grécia e as ruínas de Troia, A irmandade perdida é uma aventura apaixonante sobre duas mulheres separadas por milênios, mas com uma luta em comum: manter vivas as amazonas e preservar seu legado para a humanidade.

A Irmandade Perdida é um livro que desejo muito desde o seu lançamento (no fim de 2015), mas não tinha tido a chance de comprá-lo ainda. Então, quando tive a oportunidade de pedir à nossa editora parceira, Arqueiro, não pensei duas vezes! E já adianto que não me arrependi nem por um segundo!!

A obra foi escrita pela dinamarquesa Anne Fortier, que também é a autora do incrível livro Julieta (Resenha), além de ter produzido um documentário que foi vencedor do Emmy, retratando a Guerra de Inverno, quando a Rússia invadiu a Finlândia em 1939 e teve seus exércitos rechaçados pelo inverno e pelos finlandeses.
Essa mulher é uma historiadora maravilhosa. Em todas as suas criações, é possível perceber o quanto Anne estudou e pesquisou para manter o máximo de verossimilhança possível com a história conhecida atualmente.

Batalha entre gregos e amazonas, obra do Museu do Vaticano


A Irmandade Perdida é uma ficção que nos apresenta duas narrativas interligadas: uma passada entre os dias atuais e outra há cerca de 3.000 a.C. 

Amazona Ferida, estátua romana do século I
A protagonista nos dias atuais é Diana Morgan, filha de um inglês e uma americana, filóloga (estuda a linguagem em fontes históricas escritas, incluindo literatura, história e linguística) e professora da Universidade de Oxford. 
Diana é fascinada pela mitologia das amazonas! Isso porque quando era criança, sua avó paterna insistia em dizer que era uma amazona (a segunda em comando) e ensinou a Diana as regras dessa sociedade matriarcal.

Eis que durante uma de suas palestras sobre esse mito que amedrontava os gregos e vários outros homens daquela região, Diana é convidada por um homem misterioso para conhecer um achado arqueológico que acredita-se ter ligação com as amazonas!! 

Apesar do medo do desconhecido e misterioso homem, Diana embarca nessa jornada que ela acredita poder talvez responder algumas das várias questões que carrega desde a infância. Será que as amazonas existiram mesmo?

-Ai, Sra. Morgan! A senhora devia ter visto a Diana! - exclamara Rebecca mais tarde naquele dia, quando subimos correndo a escada para contar a vovó sobre o incidente. -Ela foi cruel! Quase tão cruel quanto o cachorro!
Vovó assentira de sua poltrona, com as mãos unidas no colo, tranquila.
-Que bom. - Ela olhara para as pernas enlameadas da minha calça, para meu zíper quebrado e para meu rosto corado, e seus olhos escureceram de satisfação. - Que bom que você leva jeito.
Rebecca (melhor amiga de Diana) e vovó, p. 114

A Batalha das Amazonas, por Peter Paul Rubens
Ao mesmo tempo, por volta de 3.000 a.C., vamos conhecer Mirina. Uma caçadora que perde quase toda a família para uma peste e decide ir atrás da deusa da Lua para suplicar ajuda para a irmã mais nova (sua única família restante) que ficou cega. 

Mirina irá atravessar o deserto e sobreviver à pântanos traiçoeiros para chegar até o templo da deusa e, apesar de toda a sua bravura, as sacerdotisas do local não a aceitarão de braços abertos. 

Lili, a irmã de Mirina, não consegue sua visão de volta, mas a deusa lhe dá um presente maior: o dom da profecia. Mas infelizmente as visões da garota enxergam apenas morte e sofrimento.
Uma noite, a profecia de Lili se realiza e homens cruéis invadem o templo, matam e aterrorizam as sacerdotisas. Não satisfeitos, os bárbaros ainda levam consigo algumas das moças mais bonitas.

Mirina então, mesmo ferida, se junta com algumas das sacerdotisas sobreviventes para resgatar suas irmãs levadas à força por aqueles homens. Assim começará uma jornada de muito perigo, sofrimento e vingança, para descobrir quem eram os piratas cruéis e para onde levaram suas irmãs.

Um dia tão bonito para um banho de sangue

Intercalando as narrativas, Diana chega ao sítio arqueológico e conhece Nick Barrán, um homem que guarda muitos segredos e que lhe apresentará um templo enterrado no deserto há cerca de 3 mil anos. 

Com a ajuda de caderno deixado a ela por sua avó, Diana consegue traduzir a mensagem nas paredes do templo. Contando assim uma história de morte e destruição do local sagrado por piratas maléficos. 

A partir daí, Diana e Nick vão seguir os passos de Mirina e descobrir sobre a possível origem do mito das amazonas. As coisas vão complicar quando interessados no lendário Tesouro das Amazonas começarem uma perseguição digna dos filmes de ação.

Amazonas saem a cavalo, de Johann Heinrich Wilhelm Tischbein

A Irmandade Perdida é um livro simplesmente maravilhoso. Me faltam palavras para descrever o quão boa é essa obra. As narrações intercaladas de Diana e Mirina sobre a mesma jornada com milhares de anos de diferença são arrebatadoras. Esse é o tipo de livro que você não vai querer terminar e, ao mesmo tempo, não conseguirá parar de ler.

Com uma jornada repleta de batalhas e sofrimento, Mirina me emocionou fortemente. Mesmo já esperando tragédias ao longo do caminho, em alguns momentos não pude conter as lágrimas diante de sua dor.

Já Diana e Nick vão enfrentar muitos perigos modernos e viajar para lugares exóticos - desde a Argélia (no norte da África) até a Grécia e as ruínas de Troia - até conseguirem descobrir a verdade sobre as amazonas e suas lendas, em uma aventura no estilo de Indiana Jones que me cativou desde o início. 

A Mulher Maravilha é filha da rainha das Amazonas
A ficção de Anne explicará em termos plausíveis a origem de muitos mitos gregos, como Medusa, Teseu, Hércules, Páris e Helena de Troia.
O texto é extremamente inteligente, mas mesmo assim de uma leitura muito fácil. Há conexões entre os personagens que serão explicadas até o fim da obra, surpreendendo os leitores até o fim!

Com tanta conversa sobre feminismo e o poder das mulheres, não poderia haver livro mais indicado no momento. São duas protagonistas fortes, corajosas e determinadas que arriscarão a própria vida para salvar àquelas(es) que amam e o que consideram correto. 
Mas, caros leitores, não quero que pensem nem por um segundo que esse livro é apenas para o gênero feminino! Se você é homem ou simplesmente não tem um gênero definido ainda, com certeza também ficará enlouquecido com essa história tão bem construída e amarrada.

A Irmandade Perdida entrou no meu hall de favoritos e foi simplesmente uma das melhores leituras que já tive o prazer de fazer. Recomendo a leitura de coração aberto a todos os(as) aventureiros(as) de plantão!!
E, por favor, não se assustem com o número de páginas da obra porque vale muito a pena mesmo!!! 

-Nós somos as amazonas - repetiu ela com mais firmeza, enquanto os homens olhavam boquiabertos e incrédulos para a ave morta. - Somos as matadoras de animais e de homens. Somos selvagens e habitamos lugares igualmente selvagens. A liberdade corre em nosso sangue e a morte sussurra na ponta de nossas flechas. Nada tememos; é o medo que foge de nós. Quem tentar nos impedir sentirá nossa fúria. Com isso, ela virou as costas e se afastou pelo mato alto, até os homens conseguirem ver apenas a ponta de seu arco. E então, bem na hora em que eles se lembraram de respirar outra vez, ela desapareceu.
Mirina, p. 410





22 comentários :

  1. Quando vi esse livro pela primeira vez a capa chamou minha atenção e ele foi pra lista de compras. Adoro historias com mulheres fortes e decididas. Fiquei intrigada com esse homem misterioso qual será o interesse dele nessa historia das amazonas, gostei de saber que envolve profecia que adoro nem sei porque kk.

    ResponderExcluir
  2. parace ser bem legal, adoro ler sobre a Grécia. Já anotei no meu caderninho de futuras leituras

    ResponderExcluir
  3. Oi Carolina!
    Eu amo mitologia e sou fascinada pelas guerreiras Amazonas. Gostei bastante das aventuras e dificuldades passadas por Diana e Nick no decorrer da trama.
    Desde o lançamento que fiquei muito interessada nesse livro.
    Essa capa está fantástica.
    Achei super interessante essa passagem de tempo na leitura.
    A narrativa intercalada entre Mirina e Diana com certeza deve deixar a trama mais instigante.
    Torcendo por uma oportunidade de ler logo esse livro.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Oi Carol.
    A Irmandade Perdida parece ser bem interessante, abordando várias histórias da mitologia grega, além das Amazonas.
    Foi bem inteligente da parte da autora ter a narrativa intercalada entre Mirina e Diana contando a mesma jornada, mas de pontos de vistas diferentes.
    A capa é bem bonita!

    ResponderExcluir
  5. Carol, eu sei que eu sempre digo isso ultimamente, mas por causa das nossas conversas no Facebook, eu quero muito ler esse livro.
    E agora com a sua resenha, quero mais ainda!
    Antes de você comentar, eu nunca tinha ouvido falar dele, mas se é tão maravilhoso, precisa ser compartilhado, né?
    Adoro mitologia de todo tipo, a história das Amazonas e o estilo Indiana Jones tem um lugar especial no meu coração.
    Adorei o fato de intercalar duas narrativas e você ter duas histórias dentro de uma.
    Já anotei na wishlist. Mais uma vez, obrigada pela indicação. Você é minha gêmea literária. <3

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  6. oi oi,

    conhecia esse livro só de capa, mas agora fiquei bem curiosa para lê-lo! Amo tudo que fala sobre mitologia e saber que a obra aborda esse assunto em uma trama rica e intrigante me deixou louca para conhecer melhor o livro! Ótima resenha!

    Beijos!
    Visite o Mademoiselle Loves Books
    http://www.mademoisellelovesbooks.com/

    ResponderExcluir
  7. Eu li esse livro a pouco tempo, e também gostei bastante da história dele. Goste muito do enredo do livro e gostei que tem mitologia e arqueologia no livro. Mas confesso que achei o romance meio forcado em alguns momentos, e a Diana não me cativou tanto. Mas no geral, gostei do livro.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Ao contrário da maioria esse tipo de leitura estou deixando em suspenso por enquanto. Não sou muito fã de mitologia nem de histórias com fatos históricos, pois acho que a trama fica arrastada para se explicar esses mitos, fatos e datas, e isso não me prende nem me agrada nada! Mas a história em si parece ser muito interessante e eu acredito que lerei sim num futuro não muito longe!

    ResponderExcluir
  9. Oi, Carol! Tudo bem?

    Que incrível! Amei sua resenha super bem elaborada!
    Livros com elementos históricos são realmente prazerosos! Curto demais, pois além de uma bel ficção, tem ainda a possibilidade de conhecermos um pouco da história.

    E cá para nós, Carolina, como jornalista em profissão, avalio os escritores de outras nacionalidades, tais como, Anne Fortier, bem melhores em suas escritas e eles dão um show nos habituais americanos, não é?

    Beijos,
    Danny
    hwww.irmaoslivreiros.com

    ResponderExcluir
  10. Ual, não sabia que este livro era tão bom assim.
    Eu adoro tramas históricas e saber que a autora é uma historiadora de mão cheia me deixou mais curiosa para conferir seu livro.
    Anotei a dica e assim que tiver a oportunidade com certeza irei ler. <3

    super beijo,
    May - mayeosvicios.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. posso ser sincera?
    eu julguei o livro pela capa e me enganei horrores! eu vi e achei q era alguma coisa totalmente diferente (acho q ainda li o resumo) mas na época não me chamou atenção!
    mas depois dessa resenha e eu definitivamente tenho que ler esse livro ainda por cima que a autora ela fez uma pesquisa sobre o assunto
    mais um para minha lista

    ResponderExcluir
  12. Que livro lindo!
    Adoro livros que contam um pouco de história antigas, realmente fiquei mto curiosa pra ler!
    Adorei a resenha!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  13. Olá, Carolina!!
    Li Julieta e, simplesmente, adorei a história e a narrativa da autora, principalmente, por ter um embasamento histórico bem trabalhado e crível. Por isso, desde o lançamento, A irmandade Perdida é um dos meus desejados e agora conhecendo mais um pouco sobre a história, fiquei ainda mais curiosa. Adoro história e mitologia, penso então, que essa será uma valiosa leitura.

    Abraço!
    http://bloghistoriasliterarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Oi Carolina!
    Confesso que se eu por acaso apenas lesse a sinopse do livro eu não me interessaria muito. Masss com essa resenha eu fiquei super interessada! Sério, ainda mais sabendo que a autora é uma historiadora e pelos comentários, possui uma escrita maravilhosa e os livros dela então, nem se fala.
    De longe, não seria um livro que eu costumo ler, mas essa ligação do passado com presente, com a experiência da autora me convenceu que essa história é muito rica, com um conteúdo de verdade (não que os outros livros não tenham conteúdo, mas que é uma história diferente e que com certeza marca a vida de quem leu e não é apenas mais história clichê).
    E quando você falou do número de páginas fui voltar para ver quantas o livro tem hahaha mas não achei muitas, afinal quando um livro é bom, o tempo, assim como as páginas passam voando.
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    Nossa fui totalmente surpreendida pelo livro!
    Quando li o lançamento dele fiquei louca com a capa e tive a impressão de que era um livro de época, por isso nem me dei ao trabalho de ler a sinopse.
    Me engano toda.
    Amei o livro, sua resenha praticamente me fez adentrar a leitura, fiquei tão animada quanto você, ele não estava na minha lista de desejados, mas agora, passou até na frente de outros na prioridade.
    Amei, espero conseguir comprar o mais rápido possível.
    Bjoks!

    ResponderExcluir
  16. Desde quando lançou eu também fiquei super interessada, a capa e sinopse na epoca me deixaram super curiosa, mas acabou que não tive a oportunidade de ler.
    Esses dias ele estava 10 reais na lojas americanas no shopping e esqueci de passar la pra comprar (muito burra)

    Mas talvez pode ser meu proximo pedido na arqueiro ♥ apesar de sempre ter receio em ler histórias que intercalam passado e presente, o modo que você detalhou na resenha realmente me deixou com muita vontade de ler. E também porque adoro livros com mitos e fatos históricos ♥

    Maravilhosa a resenha!

    Paradise Books || @ParadiseBooksBr
    xoxo

    ResponderExcluir
  17. Mesmo com a sua resenha maravilhosa eu ainda não tive vontade de ler esse livro, a história não me cativa e não gosto de ler livros para abandona-los por isso acho melhor nem iniciar a leitura e parti para outra. Mas eu gostei de sua resenha e do claro entusiasmo nela :)

    ResponderExcluir
  18. O Livro parece ser Incrível, mas ele é muito caro! =(

    ResponderExcluir
  19. Nossa, eu ainda não conhecia a autora, mas a base histórica parece sensacional. Pela sua resenha, o livro parece ser uma mistura de Labirinto com livros da Marion Zimmer Bradley, ou seja SENSA. Ele vai pra lista de desejados, mas como aparentemente custa os olhos da cara (é a Arqueiro, né), ele vai ficar lá sentado um tempinho hahahaha

    ResponderExcluir
  20. Sua resenha me fez entrar na leitura,à primeira vista pensei que a história seria muito diferente.

    ResponderExcluir
  21. Oi!
    Esse é um livro que desde o lançamento quero muito ler, adorei essa historia ainda mais essa mistura de mitologia que é um tema que gosto muito, achei a historia desse livro bem interessante principalmente por ele apresentar duas historia que se ligam e as duas me deixaram bem curiosa !!

    ResponderExcluir
  22. Amo mitologia, tô muito curiosa pra ler esse livro. Já tá na lista /0/

    ResponderExcluir

Obrigada por fazer quatro blogueiras felizes, seu comentário e sua opinião são muito importante pra nós! Todas as visitas e comentários serão retribuídos.

(Comentários contendo ofensas e palavras de baixo calão não serão aceitos).

Seguidores

No Instagram @bloglohs

Vem pro Facebook