O Guia Definitivo do Mochileiro das Galáxias

Autor: Douglas Adams
Título original: The Ultimate Hitchhiker's Guide to the Galaxy
Tradução: Carlos Irineu da Costa, Marcia Heloisa Amarante Gonçalves e Paulo Henrique Britto
Editora: Arqueiro
Páginas: 672
Onde encontrar: AmazonBr | Americanas | Cultura | Saraiva | Submarino


| Livro cedido em parceria com a Editora Arqueiro


Sinopse: Pela primeira vez, reunimos em um único volume os cinco livros da cultuada série O Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams. Com mais de 15 milhões de exemplares vendidos, a saga do britânico esquisitão Arthur Dent pela Galáxia conquistou leitores do mundo inteiro. O humor ácido e as tramas surreais de Douglas Adams se tornaram ícones de uma geração e seguem fascinando – e divertindo – leitores de todas as idades. Pegue sua toalha, embarque nessa aventura improvável e, é claro, não entre em pânico! 
O Guia do Mochileiro das Galáxias Segundos antes de a Terra ser destruída para dar lugar a uma via expressa interespacial, Arthur Dent é salvo por Ford Prefect, um E.T. que fazia pesquisa de campo para a nova edição de O Guia do Mochileiro das Galáxias. Pegando carona numa nave alienígena, os dois dão início a uma alucinante viagem pelo tempo e pelo espaço.
O Restaurante no Fim do Universo Arthur Dent e seus quatro estranhos companheiros viajam pela Galáxia a bordo da nave Coração de Ouro, em uma busca desesperada por algum lugar para comer. Depois de fazer a refeição mais estranha de suas vidas, eles seguem pelo espaço e acabam descobrindo a questão sobre a Vida, o Universo e Tudo Mais. 
A Vida, o Universo e Tudo Mais Arthur Dent passou os últimos cinco anos abandonado na Terra pré-histórica, mas ainda acordava todos os dias com um grito de horror. No entanto, talvez fosse melhor continuar nessa tediosa rotina do que ser arrastado para a sua próxima missão- salvar o Universo dos temíveis e infelizes robôs xenófobos do planeta Krikkit.
Até Mais, e Obrigado Pelos Peixes! Depois de viajar pelo Universo, ver o aniquilamento da Terra, participar de guerras interestelares e conhecer criaturas extraordinárias, Arthur Dent está de volta ao seu planeta. E tudo parece estranhamente normal – exceto pelo desaparecimento dos golfinhos. Disposto a desvendar esse mistério, ele parte em uma nova jornada.
Praticamente Inofensiva Após muitos anos vivendo separados, cada um em um canto mais insondável do Universo, Arthur Dent, Ford Prefect e Tricia McMillan se reencontram. Mas o que deveria ser uma festejada reunião de velhos amigos se transforma numa terrível confusão que põe em risco – mais uma vez – a vida de todos.

Essa é uma daquelas séries de que você sempre ouve falar e tem curiosidade para ler, mas que não tem certeza ainda se deve ou não investir seu tempo. Bom, eu vim aqui para convencer você a cruzar a linha entre o não sei se quero e o com certeza vou ler.

Antes, preciso confessar que eu mesma não tinha dado essa chance à série. Desde meus 13 anos já conhecia por nome, sabia que tinha se tornado referência nerd clássica e tinha a curiosidade; afinal, o que significa 42? Como uma toalha pode ser uma ferramenta de sobrevivência? E por que diabos o personagem principal está de roupão?

Por incentivo (e muito, por sinal) do meu melhor amigo, finalmente arrisquei e aproveitei a chance proporcionada pela Editora Arqueiro para descobrir as respostas para as minhas perguntas.

A série gira em torno da vida de Arthur Dent, um humano comum, britânico, obcecado por chá e um pouco distraído, de seu amigo Ford Prefect e as aventuras que se desencadeiam após a destruição do mundo por uma raça alienígena bem pouco amigável: com o objetivo de criar uma via expressa interespacial, os Vogons iniciam a demolição do planeta, apesar da surpresa dos habitantes dele.

— Como assim nunca estiveram em Alfa do Centauro? Ora bolas, humanidade, fica só a quatro anos-luz daqui! Desculpem, mas se vocês não se dão ao trabalho de se interessar pelas questões locais, o problema é de vocês. — Após uma pausa disse: — Energizar os raios demolidores.
Das Escotilhas saíram fachos de luz.
— Diabo de planeta apático — disse a voz. — Não dá nem pra ter pena.
P. 25

A partir daí, toda a percepção de Arthur sobre a vida, o universo — e tudo mais — muda completamente: a Terra não existe mais, o universo é muito maior do que o sistema solar e há mais planetas e civilizações do que Arthur jamais poderia sonhar. Seu amigo Ford, na verdade, é um alienígena fazendo pesquisas sobre a Terra, recolhendo informações para atualizar o chamado Guia do Mochileiro das Galáxias; o livro digital reúne diversos verbetes sobre o universo, servindo, como diz o nome, de guia para consulta, contendo as informações mais importantes sobre todos os temas imagináveis. 

Daqui para frente, vou falar de toda a minha experiência com o livro, desde os verbetes do Guia até a minha impressão sobre as personagens. Os que quiserem opiniões devem continuar lendo. Outros podem preferir pular para o 13º parágrafo, que é bem legal e é onde tem um gif do Marvin.*

A série como um todo me surpreendeu bastante. Não sou muito fã de ficção científica — já tentei, mas nunca fui muito mais longe do que Doctor Who e alguns episódios de Arquivo X. Esperando ficar entediada como da primeira vez em que li os primeiros capítulos, Douglas Adams fez questão de distribuir alguns tapas na minha cara: o humor que encontrei em todos os livros é insuperável, sendo ao mesmo tempo inovador e previsível, de uma maneira agradável. Você pode saber a fórmula utilizada pelo autor, mas ela não é esgotável apesar de se repetir. Suas tiradas são sensacionais, e algumas passagens me fizeram rolar de rir.

— [...] Não passa de um conjunto de regras arbitrárias como xadrez ou tênis, ou... qual é mesmo o nome daquela coisa esquisita de que vocês ingleses brincam?
— Humm... críquete? Autodepreciação?
— Democracia parlamentar.
P. 531

Os personagens principais também são muito compatíveis com a escrita de Adams: irreverentes, com o sutil humor britânico e bastante desprendidos do senso de normalidade. Pouco importa se o que está acontecendo no momento não faz sentido algum, desde que seu objetivo seja alcançado — seja lá qual for. 

O caricato personagem de Zaphod Beeblebrox, presidente da galáxia, encaixa-se bastante nessa descrição, além de ser uma autoridade inconsequente, egoísta e sem autoridade alguma (uma possível crítica do autor, pois no Guia existe espaço pra tudo). Trillian, sua “navegadora” e companheira, talvez seja o elemento de sensatez em meio à confusão. 

Com uma paciência sem tamanho, aguenta os caprichos de Zaphod e o ajuda em suas aventuras.

Ford Prefect, por outro lado, é o personagem com menos paciência de toda a série; ele não costuma levar Arthur a sério, apesar de salvar sua vida a cada 30 páginas, e tudo o que quer é... bem, é fazer o que quiser, sem ter de salvar algum planeta ou galáxia o tempo todo. Enquanto isso, Arthur é apenas um humano perdido no espaço, sem conhecimentos prévios ou qualquer preparo para os infinitos obstáculos com os quais se depara. Os dois passam por vários encontros, desencontros, viagens no tempo e até algumas guerras. Sendo Ford o “mentor”, a amizade dos dois se tornou outra fonte de ótimas cenas engraçadas.

Arthur estava trêmulo.
— Talvez — ele disse — eu devesse...
— Não — retrucou Ford, seco.
— O quê?
— Não tente telefonar para si mesmo em casa.
— Mas como você sabia?
Ford deu de ombros.
— Por que não? — insistiu Arthur.
— Falar consigo mesmo no telefone — respondeu Ford — não leva a nada.
— Mas...
— Veja — disse Ford. Pegou um telefone imaginário e apertou teclas imaginárias.
— Alô? — disse ele, no fone imaginário. — Gostaria de falar com Arthur Dent? Ah sim, bom dia. Aqui é Arthur Dent falando. Não desligue.
Lançou um olhar desapontado para o fone imaginário.
— Desligou! — disse, e depois colocou o fone imaginário cuidadosamente de volta em seu gancho imaginário.
P. 284

Devo admitir, no entanto, que é uma história confusa. A vantagem de ser uma única narrativa, sendo a continuidade precisa dos livros algo bem impressionante (os livros foram escritos, respectivamente, em 1979, 1980, 1982, 1984 e 1992), não exime a série de algumas dúvidas e muitas caras de ué. Em alguns momentos, a trama fica completamente nonsense, com diálogos entre robôs e colchões, explicações sobre a arte de se fazer um sanduíche, a reencarnação de uma mosca em um coelho, viagens no tempo de 576 bilhões de anos, uma Terra povoada por gestores de RH, golfinhos desaparecidos, ratos superinteligentes e portas atenciosas. Essa perda de noção fica muito tangível na primeira metade do segundo livro, bem como no terceiro livro inteiro. 

Em alguns capítulos, eu perdi a paciência e me perguntei mais vezes do que posso contar “mas o que é que isso tem a ver com a história?”. De vez em quando, a resposta era “é importante, e pode fazer falta na leitura”, mas geralmente era “isso não faz a menor diferença para a trama, mas é engraçado e pode ser interessante de ler”. Meu conselho? Apenas aceite e leia. Não tem muito o que fazer, e acredito que esse sentimento tenha me deixado muito mais simpática à constante confusão de Arthur; no final das contas, somos todos com ele.

Arthur estava olhando fixamente para fora da janela, franzindo a testa. [...] Fazia dois meses que ele voltara para casa. Retomar a sua vida havia sido ridiculamente fácil. As pessoas tinham uma memória incrivelmente curta, inclusive ele. Oito anos de perambulações pela Galáxia agora lhe pareciam não como uma espécie de pesadelo, mas como um filme gravado na tevê que ele deixara esquecido atrás de um armário, sem a menor vontade de assistir.
P. 439

Em um nível mais sério, todas as divagações e mudanças súbitas no tempo e espaço tornam difícil acompanhar todos os personagens. Muitas vezes eu perdi Marvin de vista, para depois descobrir que ele tinha sido deixado para trás, mesmo. E, no final das contas, o personagem de alívio cômico é o robô mais depressivo da galáxia; há algo de cativante nele, apesar de seu discurso desmotivador e sua constante vontade de morrer. Eu simpatizei bastante com ele. 

— Desculpe, será que eu disse algo que não devia dizer? — disse Marvin, seguindo em frente sem se virar. — Desculpem-me por respirar, embora eu nunca respire de fato, então nem sei por que estou dizendo isso. Ah, meu Deus, estou tão deprimido! Mais uma porta metida a besta. Ah, vida! Não me falem de vida.
P. 60

Em suma, eu gostei bastante da experiência. Os livros são muito mais do que apenas uma história de ficção científica, e acredito que trouxe até alguns ensinamentos sobre uma ou outra aventura. 

— Tudo o que você vê, ouve ou vivencia de qualquer jeito que seja é específico para você. Você cria um universo ao percebê-lo, então tudo no universo que percebe é específico para você.
P. 576

Não diria que agrada a todos, justamente pelas divagações e humor nonsense, mas se você não se importar e estiver disposto a colocar a curiosidade acima do julgamento, vai encontrar várias surpresas boas. Bom, pelo menos foi assim comigo.

Ah, e é claro, há também o filme. Divertido e uma boa distração, não é 100%  fiel ao livro e não deve ser buscado com expectativas muito altas, mas é interessante ver os personagens tomarem forma. Além disso, o elenco com Zoey Deschanel, Yasiin Bey, Alan Rickman, Martin Freeman, Sam Rockwell e Stephen Fry como narrador simplesmente pede para que o filme seja averiguado.

Deixo aqui uma última citação — que descreve a saga toda, até — e o trailer.

Desde que a Galáxia surgiu, vastas civilizações cresceram e desapareceram, cresceram e desapareceram, cresceram e desapareceram tantas vezes que é muito tentador pensar que a vida na Galáxia deve ser (a) similar a um enjoo marítimo, espacial, temporal, histórico ou similar e (b) imbecil.
P. 293



Espero que tenham gostado, até mais e obrigada pela leitura!* 

*referências a passagens do 4º livro



Resenha por Bel Brito

21 comentários :

  1. Nossa acho que meu tico e teco não conseguirão acompanhar essa leitura. Ficção científica x passagem de tempo juntos não sei não. Tbem achei gde tudo junto. Gosto de livros menores pra carregar na bolsa

    ResponderExcluir
  2. Oi Bel!

    Acredito que essa resenha foi feita pra mim então, rsrs. Estou sempre em dúvidas se leio ou não essa série, kkk. Fico deixando pra depois, mas esse depois nunca chega, é impressionante.
    Achei muito linda essa edição. Fiquei literalmente babando. Só não sei se devo encarar esse livro único ou se é melhor ir comprando aos poucos, já que posso não gostar tanto assim e não me interessar em continuar com a leitura, já que ficção cientifica não é um gênero que leio com frequência :/ Mas os livros parecem ser MUITO engraçados, críticos e bastante inteligentes! Quem sabe mais pra frente eu mude de ideia e resolva se aventurar...
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vania!
      É uma edição linda, mesmo, mas entendo completamente se quiser comprar aos poucos, só recomendo que leia! São muito divertidos e acho que vai gostar!
      Beijos :)

      Excluir
  3. Tenho curiosidade em ler esses livros, mas sempre acabei deixando de lado por colocar outros livros de gêneros que gosto na frente. Porém achei essa edição maravilhosa e acho que agora não tem mais desculpa hahaha
    Não é um gênero que eu pretendia ler, mas acho que é uma boa dica para começar. Entretanto tenho aquele medinho né, da linguagem, de ficar perdida (com a sensação de não entender nada por ser um livro de Ficção-científica) mas só lendo para saber.
    Beijos Bel!

    ResponderExcluir
  4. Adorei!! Enredo, capa, personagens, td mto bom!
    Curiosa dmais pra ler!!

    ResponderExcluir
  5. O que dizer: eu tinha essa quintologia e emprestei, daí que como diz minha mãe quem empresa não presta (hihihi) e os livros nunca voltaram. Fiquei muito chateada porque amo demais os livros as piadas com humor negro, e a leitura tão fluida e rápida. Fiquei dias falando pro meu esposo que perdi os livros que agora ele viajou e quando voltou trouxe essa edição linda de viver pra mim. Aff. compensou toda a minha tristeza. A edição é fofa e eu estou in love!

    ResponderExcluir
  6. Humm. Eu comecei a ler essa série porque uma amiga escolheu ele como desafio desse ano, e até agora só li os dois primeiros. Mas quero muito terminar de ler. Como você eu também já havia ouvido falar dele mas nunca li, agora sei o que eu estava perdendo.

    ResponderExcluir
  7. Ouvi falar muito desse livro, terei que ler em dezembro o primeiro volume para um desafio de leitura, fico me perguntando se vou gostar, se vou compreender, será confuso, mas só quando ler para saber rsrs. Ouvia muito falar sobre a toalha, mas não sabia o significado só fiquei sabendo recentemente.

    ResponderExcluir
  8. Eu tenho uma amiga que é apaixonada por essa série e ela acha um absurdo que eu ainda não a tenha lido mas por mais que eu leia muitas resenhas e ouça bons comentários eu ainda não sinto aquela necessidade de ler esses livros, talvez um dia que não tiver nada pra ler mesmo eu possa dar uma chance a essa série, mas que bom que gostou dos livros.

    ResponderExcluir
  9. Oi Bel,

    atualmente estou no terceiro e concordo com quase tudo o que disse. É uma série incrível, com um humor único e críticas bacanas, contudo, a história muitas vezes é confusa e, os personagens, superficiais. Não é a maior obra da literatura, com certeza, mas é uma das mais bizarras e incríveis definitivamente.

    Beijos!
    Visite o Mademoiselle Loves Books
    http://www.mademoisellelovesbooks.com/

    ResponderExcluir
  10. Oi :)
    Tenho a mesma sensação que você tinha sobre esses livros, tenho curiosidade pra saber mais da estória mas não tenho muito vontade de lê-los rs. Estou precisando de um incentivo grande também. Gosto bastante de ficção-cientifica mas não é meu gênero favorito e depois de ler sua resenha fiquei ainda mais na dúvida se devo ou não dar uma chance a esses livros. Algum dia na minha vida eu os lerei mas só não sei quando rs.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Eu li esse livro esse ano mesmo, e confesso que pensava exatamente assim, que essa é uma séries que eu sempre ouvia falar, mas não sabia se realmente valia a pena. E até gostei do livro, mas não tanto quanto eu esperava. Não sou muito fã de ficção científica, e realmente achei ele bem confuso em algumas partes. Mas gostei bastante da escrita do autor, e gostei dos personagens...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Eu amo O Guia e apesar de ter uma edição dos livros (que infelizmente não é a que eu acho mais bonita, mas enfim...)eu ando desejando esse volume único. Tipo, muito. Mesmo. Enfim, sim, o livro tem algumas partes que podem ser confusas e que não fazem muita diferença na trama em si, mas pelo livro se tratar de uma grande sátira, tudo faz sentido. Encare a história dessa forma q tudo muda. Nossa, acho que o Adams foi genial escrevendo, sério mesmo hahaha

    ResponderExcluir
  13. eu adorei a série do guia! o adams é genial, a ironia, os comentários aparentemente sem sentidos, mas depois vc vê que é uma critica. eu tenho a edição econômica, mas mesmo assim ando paquerando com essa edição todos juntos! (eu sei que é feio querer um livro só pela capa, mas é douglas adams!)

    ResponderExcluir
  14. Oi Bel.
    Nunca tive muita vontade de ler essa série. A sinopse simplesmente não me interessou. Eu tentei ver o filme e acabei dormindo rs
    Acho que essa nova edição é legal para os fãs e para aqueles que querem conhecer a obra.

    ResponderExcluir
  15. Oiee!
    Ficção científica não é pra mim, não consigo ir muito longe em livros assim. Acho que é um gênero do tipo ou amo ou odeia, no meu caso é segunda opção rsrs
    Deixo para os fãs mesmo.
    Bjokas!

    ResponderExcluir
  16. Bel, recebi esse livro pela Editora Arqueiro também e gostei muito.
    Bom, concordo com muito do que você falou, principalmente sobre em alguns momentos ficar com cara de úe, haha. Várias vezes isso aconteceu.
    E em vários momentos eu me perguntei "isso é importante mesmo estar aqui?". Mas como só li o primeiro ainda, imagino que será importante para os próximos volumes. Ou não. O Douglas Adams era meio doido mesmo, haha.
    Adorei esse humor nonsense, sarcástico e muitas vezes autodepreciativo.
    Não foi minha leitura preferida do ano, mas achei bem legal.
    :D
    Só não vi o filme ainda.

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  17. Li em 2013 essa incrível "trilogia de cinco", gostei muito do estilo do autor, que com um ar cômico ironiza a sociedade em alguns aspectos. Não sabia que tinham feito esse volume único, tô doida naquela edição de capa dura do livro adicional- esqueci o nome kkkk.

    ResponderExcluir
  18. Essa 'trilogia de cinco' é, em uma palavra, genial! Não sabia que lançaram esse volume único, ainda sou mais a coleção antiga, acho ela tão bonitinha... hahaha Recomendo muitíssimo!

    ResponderExcluir
  19. Oi!
    Você definiu muito bem o que acontece comigo sobre essa serie, sempre ouvi falar tive muita curiosidade mas ainda não tenho certeza se devo ou não ler, e gostei muito dessa resenha já tinha lido sobre a historia mas ainda não tinha entendido muito bem e lendo a resenha gostei muito e entendi melhor, quero muito ler essa serie mesmo tendo algumas partes confusas !!

    ResponderExcluir

Obrigada por fazer quatro blogueiras felizes, seu comentário e sua opinião são muito importante pra nós! Todas as visitas e comentários serão retribuídos.

(Comentários contendo ofensas e palavras de baixo calão não serão aceitos).

Seguidores

No Instagram @bloglohs

Vem pro Facebook