Fevereiro - A Garota do Calendário #02

Autora: Audrey Carlan
Título original: Calendar Girl: February
Tradução: Andréia Barboza
Série: A Garota do Calendário
Editora: Verus
Páginas: 132
Onde encontrar: AmazonBr | Americanas | Cultura | Saraiva | Submarino | Travessa


| Livro cedido em parceria com o Grupo Editorial Record |

Sinopse: Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...
Em fevereiro, Mia vai passar o mês em Seattle com Alec Dubois, um excêntrico artista francês. No papel de musa, ela vai embarcar em uma jornada de descobertas sexuais e lições sobre o amor e a vida que permanecerão com ela para sempre.

Vamos animar essa segunda-feira com mais um pouco de Mia Saunders?! ;)

Na resenha de Janeiro (clique aqui para ler o post completo) eu contei um geral bem detalhado sobre a série A Garota do Calendário e também sobre a autora, Audrey Carlan, além de detalhar a situação complicada que Mia está vivendo e que a fez se tornar uma acompanhante de luxo. 
Vale ressaltar novamente que Mia não se torna uma prostituta. Ela faz companhia a homens ricos, mas sexo não está incluso no pacote - a menos que ela queira. 

No primeiro mês do ano, Mia conheceu Wes - um dos roteiristas mais badalados de Hollywood e também um colírio para os olhos de todas as mulheres. A atração entre os dois foi grande e o relacionamento se aprofundou, mas Mia teve que partir no fim do mês para continuar a pagar a dívida de seu pai de 1 milhão de dólares ao agiota Blaine Pintero (que por acaso também é seu ex-namorado).

Space Needle é uma das maiores atrações turísticas de Seattle

Agora, em Fevereiro, Mia se encontra em Seattle - terra consagrada pela chuva, pelo Space Needle e por vampiros modernos que brilham - para passar um mês com o excêntrico artista Alec Dubois com a função de ser a nova musa inspiradora. Com um adendo: se ela topar posar nua para o francês, receberá 20 mil dólares de bônus!

Alec Dubois é único, excêntrico e francês. Ele também o completo oposto de Wes. Enquanto o roteirista encanta com seu charme americano, cabelos loiros, olhos verdes e corpo de surfista, o artista libera romantismo em cada palavra com sotaque que diz, além dos cabelos castanhos compridos (quase sempre presos em um coque), barba exuberante e olhos castanhos - com um corpo incrível também, vale ressaltar.

Alec vê em Mia a musa perfeita. O corpo da garota é excepcional e o rosto dela é totalmente simétrico, criando uma beleza raríssima.
E ao mesmo tempo que Mia se sente atraída pelo francês, também não consegue tirar Wes da cabeça.

Assenti e mordi o lábio. Ele levantou a mão e traçou o centro do meu rosto com o dedo. Partiu da linha dos cabelos, passou pela testa, por cima do nariz, entre os lábios e parou no queixo. Um arrepio percorreu meu corpo com aquele toque morno, ou talvez tenha sido a maneira sensual como ele me olhou, como se eu fosse a mulher mais linda do mundo. Wes me olhava assim. Droga, Wes me fazia sentir assim. Uma pontada de culpa me atingiu, mas eu a afastei. Wes e eu não éramos um casal. Amigos coloridos, certamente... com a esperança de algo mais. Um dia, talvez. Não agora.
Mia, p. 14

Previsão do tempo durante a estadia de Mia em Seattle: chuva

Como o personagem não poderia ser mais caricato, a exposição do francês será sobre o amor. De várias formas. Sendo que todas as obras são inspiradas em Mia.
E é graças a esse trabalho de Alec que Mia fará obrigatoriamente um processo de autoconhecimento. Essa questão de se autoconhecer é fundamental para que ela comece a desenvolver o amor por si mesma, além de fortalecer sua autoestima.

Subi até o loft e fui direto para a cozinha. Encontrei uma garrafa de vinho aberta e uma taça, despejei uma dose grande do líquido vermelho e tomei um gole antes de permitir que as lágrimas caíssem.
Foi quando Alec chegou. Ele pegou uma taça para si e se serviu. Então, recostou-se contra o balcão e olhou para mim enquanto eu tentava me recompor e simplesmente fingir que não estava chorando feito um bebê.
-Por que você não se ama? - Suas palavras me atingiram como uma marreta, deixando um buraco gigante na minha alma.
Mia e Alec, p. 41


A relação de Mia e Alec também se aprofunda e ganha mais intimidade ao longo do mês, mas de uma forma diferente da relação que Mia tem com Wes. Os sentimentos são diferentes e a garota leva um tempo para compreender tudo o que está acontecendo porque, convenhamos, ela já carrega uma bagagem pesada. O passado de Mia até agora só tem abandonos e corações partidos, deixando ela como a única responsável por resolver problemas que nem foram causados por ela. E esse tipo de bagagem deixa uma marca de insegurança na pessoa que não é fácil de remover.

Pensei em Wes e em como sentia sua falta. A situação com Alec me deu uma nova perspectiva sobre o nosso relacionamento. Me mostrou que eu passei um mês inteiro tentando não amá-lo. Sempre protegendo a mim e a meu coração de sentir essas coisas. Só que não deu certo, porque eu o amo. Do meu jeito. E acho que ele me ama também. Ele foi o único capaz de me fazer questionar se aquele amor não seria do tipo "para sempre". Esse pensamento me fez ter certeza do motivo de eu partido. Eu podia dizer com segurança que nós fomos profundamente honestos e nos importamos um com o outro, e, se esse amor estivesse destinado a ser do tipo "para sempre", teríamos tempo para cultivá-lo. Se tiver que ser, será. Até então, eu aproveitaria a companhia do meu francês e todas as experiências que viveria com ele e com os próximos clientes.
Mia, p. 59

Fevereiro dará início na mudança interna de Mia que evoluirá ao longo do ano. Alec irá ensiná-la a se amar e a se perdoar. Assim como também mostrará a importância de amar as pessoas que estão na sua vida atualmente, porque mesmo que nunca mais as veja novamente você nunca as esquecerá já que elas modificaram algo em você.


Esse volume também apresenta um fator muito importante para as mulheres: a liberdade. Liberdade de ser você mesma e se sentir bela. Liberdade de amar quem você quer amar. Liberdade de ter relações sexuais caso seja a sua vontade. 

A própria Mia, embora seja uma mulher moderna e forte, embate com questões da sociedade machista atual, afinal, se ela fizer sexo com dois homens diferentes em um período de dois meses ela se torna uma prostituta?! 
Agora, se ela fosse um homem, haveria esse tipo de questionamento? Não, né?

Mesmo estando cansada e pronta para dormir, eu me virei e o abracei apertado. Ele aninhou a cabeça em meu peito e se aconchegou em meus seios. Era disso que ele precisava, era ali que queria estar. E eu daria aquilo, pois ele estava me dando alguma coisa também: a constatação de que eu era mais do que apenas Mia irmã, filha, amiga. Eu era uma mulher. Com sentimentos, desejos, aspirações, e não apenas a soma daquilo que minha mãe deixou quando partiu.
Mia, p. 87

Como eu disse a vocês no post anterior (link aqui), a série A Garota do Calendário fala com as mulheres sobre mulheres e eu não poderia recomendar mais do que já recomendo a leitura!

No próximo mês (julho) a editora Verus irá lançar as edições de Março e Abril. E já posso adiantar que em Março a Mia irá para Chicago, a cidade dos ventos, para se passar por noiva de um empresário com problemas familiares. Não percam esse capítulo! ;)



10 comentários :

  1. Olá, eu tô adorando saber mais sobre a série, mas tenho receio de ler por medo de me apegar a alguns dos caras e convenhamos, ainda faltam dez meses pela frente! Fora isso, quero muito ler o livro.
    Abraços.
    Leitora Encantada

    ResponderExcluir
  2. Oi Carol!
    Já disse na resenha anterior o quanto estou empolgada com essa série né! Estou vendo que nesse livro a Mia vai passar por um momento de autoconhecimento e que vai ser uma transição importante pra personagem. Já imaginava como seria a relação da Mia e Alec e fico contente em saber que ele irá ajudá-la a se amar e perdoar. Não vejo a hora de iniciar logo essa série. a cada resenha fico mais ansiosa, rsrs.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Hey Carol!
    Como prometido aqui estou eu para matar um pouquinho da minha curiosidade sobre Mia e essa série.
    O que mais gostei de saber é que existe um evolução na personalidade da personagem principal porque o que mais me incomoda nesse gênero é que as mocinhas são sempre tão iguais e pouco evoluem ao longo da narrativa.
    E essa questão de tratar sobre liberdade feminina é um ponto a mais para essa série.
    Ótima resenha!
    Beijos
    http://numrelicario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Eu terminei ontem o primeiro livro e adorei, e vendo pela sua resenha deu pra ver que na verdade em cada mês nossa personagem ira descobrir muito mais sobre si mesma, já que esses homens estão vindo para abalar seu mundo de um jeito que ela não esta preparada. Posso dizer que estou muito ansiosa para ler esse livro e conhecer esse homem que vai mudar o mundo de Mia.

    ResponderExcluir
  5. To achando interessante essa série e as viagens de Mia, ainda não li o primeiro livro. Gostei de saber dessa mudança interna de Mia vai ser muito bom para ela. Concordo as mulheres se saírem com mais de um homem em um curto período de tempo é mau vista enquanto um homem sai e acham isso normal fala sério rs.

    ResponderExcluir
  6. Ola!
    Já estou prevendo que vou me apegar a maioria dos homens que contratarem a Mia como acompanhante :)
    E assim como o coração da Mia o meu tbm vai ficar dividido, amei a resenha
    Beijos...

    ResponderExcluir
  7. Oi :)
    Como eu disse na resenha passada, eu gostei bastante da estória do livro e to louca pra saber mais a respeito. É cada personagem que aparece que via ficar difícil não se apaixonar por algum. Só espero que no final a Mia seja feliz.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Carol,
    Não senti vontade alguma de ler essa série. Pelo contrário, não vejo nenhum atrativo nela para me prender. Achei que vulgarizou muito e tornaram as coisas meio banais, sei lá. Sem contar a estratégia de venda desenfreada e descabida em vender tantos livros com essa quantidade de páginas. Um absurdo.

    http://revelandosentimentos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Gostei muito dessa historia, por temos um cara diferente em cada livro fiquei preocupada que tivemos muitos personagens parecidos, mas achei interessante temos completos oposto, também achei legal que temos um crescimento da personagem ao longo da serie e estou curiosa para poder ler essa historia !!

    ResponderExcluir
  10. Estou muito ansioso pra ler essa série!!!

    ResponderExcluir

Obrigada por fazer quatro blogueiras felizes, seu comentário e sua opinião são muito importante pra nós! Todas as visitas e comentários serão retribuídos.

(Comentários contendo ofensas e palavras de baixo calão não serão aceitos).

Seguidores

No Instagram @bloglohs

Vem pro Facebook